Governo do Estado recorre a medida extrema para impedir acesso da população a praias

0
588

AQUILES EMIR

Proprietários de restaurantes – autorizados a vender por delivery -, moradores e até mesmo quem utiliza a Avenida Litorânea como trajeto no deslocamento para a região central ou bairros da cidade foram surpreendidos neste domingo com o aparato de guerra montado nos principais acessos à orla marítima de São Luís para forçar as pessoas a ficarem em casa. Coube ao secretário estadual de Saúde, Carlos Lula, justifica a medida extrema: “teimosia demais”, disse ele numa postagem no Twitter.

A Avenida Litorânea é o principal ponto de lazer de São Luís, com diversas casas de gastronomia, e vinha atraindo banhistas neste período de quarentena, o que contraria os decretos do governador Flávio Dino para um isolamento ainda maior da sociedade a fim de evitar a proliferação do Covid-19.

A medida ganhou reações diferente nas redes sociais, pois uns classificam a medida como necessária, porém outros dizem que é excessiva, ferindo o direito constitucional de ir e vir.

 Carlos Eduardo Lula
 @carloselula
·E as entradas da Litorânea tiveram de amanhecer assim, com acesso proibido. Não teve jeito, teimosia DEMAIS. Fiquem em casa!
“Todos os acessos para a litorânea fechados por ordem do governador
Isso que é ditadura.
Liberdade de IR e vir sendo violentada pelo melhor governador do Brasil
Imagina isso presidente?”
Reagiu o internauta identificado apenas pelas iniciais HAMG
Imagem
Secretário Carlos Lula postou imagem de viatura bloqueando acesso à orla
Bloqueio – O isolamento foi feita pela Secretaria Municipal de Trânsito e Transportes (SMTT), por meio da Guarda Municipal, e conta com apoio da Polícia Militar. Nos principais pontos de acesso à orla, foram montadas barreiras de cones, com a permanência de viaturas nas proximidades a fim de conter quem tentar desobedecer a ordem.
Numa outra postagem, Carlos Lula fez um balanço dos casos de coronavírus no estado.
“Terminamos o sábado com 26 casos descartados e mais 8 confirmados. Os primeiros casos na cidade de Timon e mais um óbito, desta vez em hospital da rede privada. Paciente de 89 anos, com comorbidades. Vamos nos cuidar, gente. Boletim epidemiológico aqui”, comentou nas redes sociais.
O grande problema nesta medida extrema é que a Litorânea não é apenas uma zona de lazer, mas residencial e comercial também. Diversos restaurantes que ficaram impedidos de funcionar estão recorrendo aos serviços de encomenda para entrega no local ou a delivery, porém neste domingo não poderão atender pedidos, o que significa a decretação da proibição total de seu funcionamento.
(Com imagem principal de HAMG)
Compartilhe
Editor chefe da Revista e do site do Maranhão Hoje. Sócio-proprietário da Class Mídia – Marketing e Comunicação