São Domingos amplia oferta de leitos a fim de atender demanda por internações

0
883

O Hospital São Domingos está ampliando o número de leitos de internação e em breve, também, os de Unidade de Terapia Intensiva (UTI) a fim de atender à grande demanda por serviços hospitalares em São Luís. Recentemente, foram entregues 26 leitos de internação, aumentando para 260 o total de leitos, número que aumentará mais ainda com a conclusão das obras de expansão do Hospital.

Na UTI, são 45 leitos atualmente e está prevista a entrega de mais 10 no próximo ano, número que deve crescer até o fim do projeto de expansão. 

De acordo com a diretora Médica Adjunta do HSD, Maristela Martins, a ampliação da oferta de leitos vai atender em parte a procura, em São Luís, por internação, tanto cirúrgica eletiva, quanto a partir da emergência, grande porta de entrada de pacientes, críticos e não críticos. 

“Além disso, nos preparamos também para atender os períodos em que há maior demanda do pronto atendimento e de internação, como é o caso dos meses chuvosos e de choques de temperatura, em que a população é mais acometida por infecções do trato respiratório e necessitam de intervenções em ambiente hospitalar”, complementa Dra. Maristela Martins.

A médica  diz ainda que nos últimos anos tem havido a grande necessidade de acomodar os pacientes que internam a partir da emergência, dentro do período planejado, por conta desta alta demanda. “Essa procura por nossos serviços muito nos honra e responde ao que nos propusemos, de especialização cada vez mais e melhor, de toda equipe assistencial do pronto socorro, da internação e UTI, através da implantação de protocolos, treinamentos no modelo de simulação realística em suporte avançado de vida, atendimento a catástrofes e doenças complexas, atendendo à nossa visão de ser reconhecido como hospital de alta complexidade no Maranhão”, afirma.

Leitos de UTI – De acordo com a diretora Médica Adjunta, o processo de ampliação dos leitos de UTI também se fez necessário. “O estudo da nossa demanda mostrou um aumento progressivo por leitos de UTI, tanto para pacientes clínicos, que chegam em estado grave à Emergência do hospital, quanto cirúrgicos eletivos, para os quais temos tido aumento de solicitações a partir de cirurgias de alta complexidade, nas áreas de neurocirurgia, cardiologia, ortopedia e  geral “, informa.

Outro fator que levou ao aumento do total de leitos no HSD é o aumento da população  do resto do estado que procura o hospital.

“Embora se pense, cada vez mais, em investir na prevenção e qualidade de vida, ainda é um fato o grande contingente de doenças, sejam elas crônicas ou agudas, de complexidades diversas, tanto infecciosas, como crônico-degenerativas, que requerem cuidados em ambiente hospitalar, muitas das vezes por longos períodos, nos levando à expansão de leitos para melhor atender a população que busca os nossos serviços”, afirma Dra. Maristela Martins.

       

Oncologia – Paralelamente ao seu crescimento físico, o Hospital São Domingos investe na expansão dos serviços e em qualificação dos profissionais. Na área da Oncologia, por exemplo, em breve, o hospital terá capacidade de atender seus pacientes, em toda ordem de demanda, seja por consultas, quimioterapia, radioterapia (que será inaugurada em 2018), cirurgias de complexidade diversa e toda estrutura diagnóstica, incluindo a Medicina Nuclear, já disponível hoje.

“À medida em que identificamos as necessidades dos pacientes por grupos de doenças, ambulatorial,  diagnóstica, de internação, cirúrgica, enfim, nos preparamos para oferecer toda a estrutura capaz de atendê-los, por isso a expansão do hospital como um todo”, afirma Maristela.

Alem disso, o Hospital São Domingos tem se dedicado fortemente à melhoria da comunicação entre os agentes promotores do cuidado: profissionais de saúde, paciente e familiares. Este tema tem sido pauta de reuniões das equipes, discussões e treinamentos para fortalecer a segurança do paciente.  Neste sentido, um dos focos é o plano terapêutico personalizado, registrado em prontuário, de forma clara, para que todos que participam do cuidado atuem sinergicamente. Ele inclui, além da equipe multidisciplinar, a participação ativa do paciente e sua família no processo decisório do tratamento a ser adotado.

“Nós, enquanto profissionais técnicos, identificamos qual a terapia mais adequada para o paciente, mas é preciso que ele e sua família compreendam e concordem, para que de fato, o tratamento proposto tenha êxito”, salienta a médica. “Procuramos desenvolver boas práticas, alinhados às de Instituições de referência no restante do país e do mundo e assim dar sentido ao nosso processo de expansão”, conclui Maristela Martins.

Compartilhe
Aquiles Emir
Editor chefe da Revista e do site do Maranhão Hoje. Sócio-proprietário da Class Mídia – Marketing e Comunicação