ICC pede prisão de militar acusado de assassinatos na Líbia

0
601

O Tribunal Penal Internacional emitiu um mandado de prisão para o Major Mahmoud Mustafa Busayf al-Werfalli, comandante da Brigada Al-Saiqa, acusado de assassinar 33 pessoas no contexto do conflito em curso na Líbia, disse a promotora da Tribus Fatou Bensouda o Conselho de Segurança das Nações Unidas.

Dirigindo-se ao Conselho em Nova York, a procuradora também exortou a comunidade internacional a entregar Al-Tuhamy Mohamed Khaled, ex-chefe da Agência de Segurança Interna da Líbia, e Saif Al-Islam Kadhafi.

Busayf Al-Werfalli é um comandante na Brigada Al-Saiqa, com sede em Benghazi, que, segundo Bensouda, foi – e possivelmente ainda está – ativo na Operação Dignidade Nacional do Exército Nacional da Líbia (LNA). ‘

Em suas observações ao Conselho, a procuradora do TPI apelou diretamente ao general Khalifa Haftar, chefe do Exército Nacional da Líbia, “para demonstrar, por meio de ações concretas, o respeito pela justiça internacional, garantindo a transferência imediata de Mr al-Werfalli para as autoridades da Líbia para que ele pode ser entregue ao tribunal sem demora “.

“O meu Gabinete continua a solicitar aos Estados Partes, Estados não Partes e organizações que ajudem a garantir a detenção de pessoas sujeitas a um mandado do CCI”, disse Bensouda ao Conselho.

O apelo à prestação de contas vem em meio à preocupação constante com a situação de segurança na Líbia, que está em conflito desde as eleições em disputa em 2014, após o derrube de 2011 do líder Muammar Kadhafi.

Nos últimos meses, Bensouda disse ter notado “com preocupação” relatos de homicídios ilegais, incluindo a execução de pessoas detidas; seqüestros e desaparecimentos forçados; tortura; detenções prolongadas sem julgamento ou outro processo legal; e detenção arbitrária, tortura, estupro e outros maus tratos de migrantes em centros de detenção oficiais e não oficiais.

Relatórios também surgiram que 36 cadáveres machos foram encontrados no totem de al-Abyar, fora de Benghazi. “Isso também é uma grave preocupação”, disse ela. “Os corpos foram mantidos algemados, mostraram sinais de tortura e exibiram feridas de bala na cabeça”.

O promotor também fez eco de Ghassan Salamé ao condenar ataques aéreos recentes em um bairro residencial de Derna que parece ter resultado nas trágicas mortes de civis, incluindo pelo menos 12 crianças e mulheres.

(ONU News)

Compartilhe
Editor chefe da Revista e do site do Maranhão Hoje. Sócio-proprietário da Class Mídia – Marketing e Comunicação