Instituto Jackson Lago prepara comemoração dos cem anos de Neiva Moreira

0
929

O Instituto Jackson Lago, presidido pela médica Clay Lago, está organizando um grande evento para ser realizado em 2017 em comemoração aos cem anos de nascimento do jornalista e ex-deputado Neiva Moreira, falecido em 2012. O trabalho está sendo coordenado pela jornalista Beatriz Bissio, ex-mulher do jornalista e professora da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ).

Segundo Beatriz, a proposta é organizar um seminário como parte da programação, que seja capaz de juntar os principais colaboradores do jornalista, as pessoas que o conheceram e fizeram parte de sua vida e, também, destacar a contribuição de Neiva Moreira  tanto para a história maranhense quanto para a história do país. O seminário vai abranger, ainda, o âmbito das relações internacionais que marcaram a vida de Neiva Moreira.

A proposta foi apresentada ao secretário estadual da Ciência, Tecnologia e Inovação (Secti), Jhonatan Almada, para quem “é importante fazer esse resgate da obra dele, os livros onde analisou a Revolução Peruana, as obras relacionadas a discursos enquanto deputado federal no âmbito da Câmara em anos que precederam o golpe de 1964”.

Segundo Clay Lago, é fundamental resgatar a memória e as obras de Neiva Moreira. “A história é importante em todos os níveis e esse resgate da história do Maranhão por meio da pesquisa com o apoio do Instituto Jackson Lago e da Secti é fundamental para que a população tenha acesso a esse conhecimento”, destacou.

Beatriz Bissio falou das expectativas que tem em relação ao projeto. “É muito bom ver que esse resgate das obras de Neiva Moreira será feito aqui no Maranhão, onde ele nasceu e tanto amou, sempre quis e referendou. Trazer para o Maranhão esses arquivos e sua atuação em favor do estado seria importantíssimo para as gerações que estão sendo formadas”, frisou.

Um grande número de eventos alusivos ao centenário de Neiva Moreira está sendo organizado. Atividades como a digitalização do acervo de Cadernos do Terceiro Mundo, seminários e publicação de livros são algumas das atividades que fazem parte da programação.

Neiva Moreira nasceu em outubro de 1917 na cidade de Nova Iorque, no sertão maranhense. Como jornalista, fundou o Jornal do Povo, em São Luís, e a revista Caderno do Terceiro Mundo, quando estava no exílio, e como político foi deputado federal e um dos fundadores do PDT. Cassado pelo regime militar, viveu em diversos pa´ses e retornou ao Brasil com a Anistia de 1979, tendo exercido novamente mandato de deputado federal, de 1999 a 2002, na condição de suplente de Domingos Dutra, que renunciou para ser vice-prefeito da capital.

Compartilhe