Iphan autoriza início das obras de requalificação da Rua Grande e praças Deodoro e do Panteon

0
2156

Empresa Ducol Engenharia também recuperou Praia Grande

AQUILES EMIR

Depois de vários adiamento, o Instituto de Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan) assinou, finalmente, nesta segunda-feira (09) a ordem de serviço para início das obras de requalificação das praças do Panteon e Deodoro e da Rua Grande (principal via comercial de São Luís). A empresa contratada é a Ducol Engenharia, a mesma que recuperou a Praia Grande, pelo Projeto Reviver, e que havia ficado em segundo lugar na concorrência, mas foi chamada porque o consórcio formado pela Vitral e ABF não cumpriu as exigências do edital, já que a segunda, que tinha know-how por ter executado as do Recife Antigo e na cidade de Olinda, em Pernambuco, entrou em processo falimentar, prejudicando a primeira.

A assinatura do contrato foi na sede da superintendência do órgão, em São Luís, onde o empresário Henry Duailibe, proprietário da Ducol, prestou os esclarecimentos sobre o andamento dos trabalhos. Segundo ele, não haverá nenhum transtorno para os comerciantes neste período que antecede as vendas do Natal e Ano Novo, pois os serviços começarão pelas duas praças e a previsão é que a primeira quadra da Rua Grande, nas proximidades das Lojas Americanas e Secretaria Estadual de Educação, fique pronta antes do Natal, devendo os trabalhos serem retomados somente na segunda semana de janeiro de 2018. Segundo Duailibe, as obras vão se quadra a quadra, e isto permitirá que o comércio funcione com o mínimo de dificuldade de acesso dos clientes.

Além de substituição de todo o piso, a rua ganhará novos equipamentos, como bancos, lixeiras, hidrantes etc e terá toda sua fiação aérea substituída por uma nova, embutida. O superintendente estadual do Iphan, Márcio Itapary, informou que espera contar com uma forte fiscalização da Prefeitura e do Governo do Estado para que haja proibição para veículos pesados não circularem pela via a fim de não comprometer a reforma, pois se isto não ocorrer todo o investimentos, avaliado em R$ 31,4 milhões, será em vão, ou seja, tudo pode voltar a ser como o caos ali existente em pouco tempo.

Márcio Itapary assina ordem de serviço para início das obras na Rua Grande

Contratações – Nesta primeira etapa, a Ducol estima que deverá trabalhar com 50 operários, porém, com o andamento das obras, novas contratações serão feita e a previsão é de que no pico mais de 200 pessoas estejam recrutadas, conforme depoimento de Duailibe, que diz que será adotado o mesmo procedimento da Reviver, em que, mesmo com as obras em andamento, as pessoas podiam circular normalmente pelas ruas do Centro Histórico, sem nenhum prejuízo para os estabelecimentos comerciais.

Pelo que ele explicou, a primeira fase será de substituição total do leito da Rua Grande, ficando as calçadas liberadas para o fluxo de pedestres, com colocação de pontes para mudança de lado, sendo que na segunda etapa haverá a substituição da fiação e das calçadas. As fiações aéreas de energia, telefone, internet e televisão serão retiradas somente após a conclusão da colocação subterrânea e feitas as ligações com as casas comerciais e residências.

Márcio Itapary disse que neste momento estão garantidos R$ 6,6 milhões para início das obras, mas o governo federal já garantiu que os repasses serão feitos mediante o ritmo, de forma que não há riscos de haver qualquer processos de descontinuidade, ou seja, tudo indica que até dezembro do próximo ano toda a Rua Grande esteja recuperada e volte a ser o principal centro comercial de referência da população de São Luís.

Adiamentos – As obras da Rua Grande foram adiadas por diversas vezes e por pouco não houve prejuízo total, isto é, o governo federal chegou a ameaçar não liberar os recursos. Em dezembro de 2014, a ex-superintendente e hoje presidente do Iphan, Kátia Bogéa, chegou a anunciar o início dos trabalhos para janeiro de 2015. Infelizmente, segundo ela, houve esse problema jurídico envolvendo as empresas vencedoras.

Para Márcio Itapary, o importante é que todas as etapas foram vencidas e pesou muito para a garantia dos recursos a ação das bancadas maranhenses na Câmara e no Senado que conseguiram com o presidente Michel Temer a liberação dos recursos.

Compartilhe
Editor chefe da Revista e do site do Maranhão Hoje. Sócio-proprietário da Class Mídia – Marketing e Comunicação