Iraque confirma a fuga de líder do Estado Islâmico

0
693
O Iraque, confirmou neste domingo (12) que o líder do grupo terrorista Estado Islâmico (EI), o auto intitulado califa Abu Bakr al Baghdadi, fugiu para a SíriaAFP - Direios Reservados

O general Abdolkarim Khalaf, responsável pelos serviços de segurança do Iraque, confirmou neste domingo (12) que o líder do grupo terrorista Estado Islâmico (EI), o auto intitulado califa Abu Bakr al Baghdadi, fugiu para a Síria. As informações são da Agência de Notícias italiana ANSA.

Nos últimos meses, já haviam circulado rumores de que o extremista teria deixado o território do Itaque, após a ofensiva do exército iraquiano e da coalizão internacional contra o EI na cidade de Mosul. De acordo com o general Khalaf, citado pela agência iraniana “Fars”, Abu Bakr al Baghdadi fugiu acompanhado de “altos comandantes” do grupo terrorista.

Segundo o general, o chefe do Estado Islâmico acusou as lideranças do seu grupo em Mosul de serem “inexperientes” e interrompeu os contatos com os jihadistas da cidade. Contudo, Khalaf não revelou qual pode ter sido o destino de Baghdadi, mas as especulações giram em torno da cidade de Raqqa, “capital” do EI na Síria.

Desmentido – O chefe da Al-Qaeda, Ayman al Zawahiri, acusou o líder do grupo Estado Islâmico (EI), Abu Bakr al Baghdadi, de mentir sobre a luta jihadista de sua organização, em mensagem divulgada nesta quinta-feira. As informações são da Agência France-Presse (AFP).

Na mensagem, captada por uma organização americana de vigilância na Web SITE, o egípcio Al Zawihiri, 65 anos, denuncia a “campanha de deformação dos fatos, de medo e intimidação (…) da qual participa o líder do EI”.

“Os mentirosos insistem em sua falsidade, até o ponto de assegurar que não denunciamos os xiitas”, disse Al Zawahiri em mensagem divulgada pelo serviço de informação da Al-Qaeda.  Zawahiri, que sucedeu a Osama bin Laden após um comando americano matá-lo no Paquistão, em 2011, nega ter dito que os cristãos podem ser aliados do governo de um  futuro califado islâmico.

“O que eu disse é que são sócios nas terras, como na agricultura, comércio e dinheiro, e manteremos sua privacidade nisto, de acordo com as leis da nossa charia”, falou.

Al Zawahiri afirmou ainda que jamais disse que os muçulmanos xiitas devem ser perdoados, mas sugeriu que os ataques precisam ser concentrados nas forças iraquianas, lideradas pelos xiitas, no lugar de atrocidades aleatórias contra civis. “Disse em várias ocasiões para que detivessem as explosões nos mercados e nas mesquitas e se concentrassem nas forças militares, de segurança, na polícia e nas milícias xiitas”.

Finalmente, o líder da Al-Qaeda se volta contra os Estados Unidos: “convocamos os mujahedines (…) a fazer da jihad contra a América e seus aliados sua prioridade”. Al-Qaeda e EI são grupos adversários, com táticas e estratégias jihadistas diferentes, principalmente nos ataques que realizam na Síria, Iraque e Iêmen.

(Agência Ansa)

Compartilhe
Aquiles Emir
Editor chefe da Revista e do site do Maranhão Hoje. Sócio-proprietário da Class Mídia – Marketing e Comunicação