Johnson & Johnson testará vacina em 60 mil voluntários

0
155

Estágio final do ensaio clínico está previsto para começar em setembro

Johnson & Johnson pretende testar sua vacina experimental contra o novo coronavírus em até 60 mil voluntários, em um ensaio clínico em estágio final previsto para começar em setembro, de acordo com banco de dados de ensaios clínicos do governo dos Estados Unidos (EUA).

O teste será conduzido em cerca de 180 locais nos EUA e em outros países, incluindo o Brasil e o México, de acordo com a informação publicada no clinictrials.gov.

“Podemos confirmar que o planejamento e o recrutamento estão em andamento para nosso programa de Fase 3, que está sujeito aos dados provisórios dos testes das fases 1 e 2 e à aprovação dos reguladores”, disse um porta-voz da Johnson & Johnson. “Nosso programa de Fase 3 pretende ser o mais robusto possível, pode incluir até 60 mil participantes e será conduzido em locais com altas taxas de incidência”, acrescentou.

No caso do Brasil, a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) já autorizou a realização de testes clínicos em estágio avançado com a potencial vacina contra a covid-19 desenvolvida pela Janssen, a unidade farmacêutica da Johnson & Johnson.

De acordo com a Anvisa, os testes no Brasil serão feitos com 7 mil voluntários distribuídos nos estados de São Paulo, Rio Grande do Sul, Rio de Janeiro, Paraná, Minas Gerais, Bahia e Rio Grande do Norte.

O porta-voz da J&J disse que a empresa está usando dados epidemiológicos para decidir onde os estudos devem ser realizados, e tomará uma decisão em breve. O ensaio de Fase 3 provavelmente será encerrado no fim de setembro, com as primeiras vacinas disponíveis para uso no início de 2021, afirmou.

Fabricantes de outras vacinas contra o novo coronavírus, como Moderna e Pfizer e Pfizer, estão considerando o recrutamento de até 30 mil voluntários para seus estudos de estágio final.

As ações da J&J subiram ligeiramente nessa quinta-feira (20), reduzindo as perdas iniciais, depois que o Wall Street Journal divulgou, pela primeira vez, o dimensionamento do teste.

A Reuters informou na semana passada que um projeto de vacina contra o novo coronavírus, do governo dos EUA, estava recrutando cientistas na África do Sul e na América Latina para ajudar a testar possíveis imunizantes em ensaios clínicos.

CureVac – A Comissão Europeia e a empresa alemã de biotecnologia CureVac anunciaram nesta quinta-feira (20) que estão em conversas avançadas para o fornecimento de pelo menos 225 milhões de doses de uma potencial vacina contra a covid-19 para os países da União Europeia (UE).

O órgão executivo da UE também negocia com a Johnson & Johnson e com a Sanofi para adquirir as candidatas a vacinas que estão desenvolvendo e fechou acordo, na semana passada, para a compra de pelo menos 300 milhões de doses da potencial vacina da AstraZeneca, desenvolvida em conjunto com a Universidade de Oxford, no Reino Unido.

“Hoje concluímos conversas com a CureVac para aumentar as chances de encontrar uma vacina efetiva contra o novo coronavírus”, disse a comissária de Saúde da UE, Stella Kyriakides, confirmando reportagem publicada pela Reuters em julho.

A UE vai agora iniciar as negociações de um contrato com a CureVac, que pode se tornar o primeiro acordo bilateral de fornecimento da companhia, com vistas a assegurar a vacina para os 27 Estados-membros do bloco, caso se prove eficaz.

A CureVac disse nesta quinta que as negociações incluem uma opção de fornecimento de 180 milhões de doses adicionais.

Autoridades da UE informaram à Reuters no mês passado que a comissão também negocia com a empresa norte-americana de biotecnologia Moderna e com a companhia alemã de biotecnologia BioNTech, que está desenvolvendo uma vacina em parceria com a norte-americana Pfizer.

A CureVac disse que pode iniciar os testes em larga escala de sua vacina em humanos no último trimestre deste ano, baseada nos resultados dos testes que estão atualmente em andamento.

(Agência Brasil com informações da Reuters)

Compartilhe
Editor chefe da Revista e do site do Maranhão Hoje. Sócio-proprietário da Class Mídia – Marketing e Comunicação