Lucro líquido da Caixa aumenta 23% no primeiro trimestre deste ano

0
549

A Caixa Econômica registrou lucro líquido de R$ 3,92 bilhões, no primeiro trimestre deste ano, com um crescimento de 23% em relação ao mesmo período do ano passado. A inadimplência ficou em 2,47%, com uma redução de 0,44 ponto percentual na comparação com o mesmo período  de 2018.

De acordo com o banco, o resultado foi impactado pela estabilidade da margem financeira, redução de 24,4% nas despesas de Provisão para Devedores Duvidosos (PDD), e pelo aumento de 2,3% nas receitas de prestação de serviços.

O lucro recorrente ficou em R$ 3,87 bilhões, crescimento de 6% em relação ao primeiro trimestre do ano que passou.

O resultado, obtido graças ao aumento de receitas e à redução de despesas, não era esperado porque, de acordo com o presidente, Pedro Guimarães, o banco ainda passava por reestruturação durante os dois primeiros meses do ano.

“Nem eu esperava esse resultado, porque em janeiro e fevereiro estivemos em reestruturação”, disse hoje (24), ao divulgar o balanço trimestral, que apresentou redução de 24,4% nas despesas de Provisão para Devedores Duvidosos de R$ 2,8 bilhões no primeiro trimestre de 2019, e aumento de 2,3% nas receitas de prestação de serviços, que chegaram a um total de R$ 6,5 bilhões até março.

Guimarães anunciou que o banco devolverá, até o final de julho, R$ 7 bilhões ao Tesouro Nacional, valor relativo aos empréstimos obtidos pelo banco junto ao órgão. A ideia é chegar a R$ 20 bilhões até o final do ano, amenizando consideravelmente a dívida de R$ 40,2 bilhões que o banco tem com o Tesouro. Em 12 de junho, a Caixa anunciou a devolução de R$ 3 bilhões ao Tesouro Nacional.

Odebrecht – Segundo o presidente da Caixa, o banco se precaveu de eventuais riscos decorrentes da recuperação judicial da Odebrecht, por meio de provisionamentos feitos no final de 2018. “Fizemos provisões porque era óbvia a necessidade de recuperação judicial pela empresa. Estamos muito tranquilos quanto a isso”, disse.

“Nossa expectativa de perda tende a zero, a menos que as garantias de imóveis sejam todas menores do que o apresentado”, acrescentou.

Guimarães disse que o nível de provisionamento planejado pelo banco, de cerca de R$ 500 milhões, inclui, ainda, cerca de 10 outras empresas do grupo que ainda não entraram, mas que provavelmente terão de entrar em recuperação judicial.

Guimarães informou que a Caixa pretende vender a participação que tem no banco Pan. “Nós planejamos sair desse banco. Inclusive já estamos conversando sobre isso com nosso sócio, que é o BTG”.

(Agência Brasil)

Compartilhe
Editor chefe da Revista e do site do Maranhão Hoje. Sócio-proprietário da Class Mídia – Marketing e Comunicação