Lucro líquido do Banco do Brasil chega a R$ 3 bilhões no primeiro trimestre

0
371

O Banco do Brasil registrou lucro líquido ajustado de R$ 3,0 bilhões no 1T18, crescimento de 20,3% em relação ao 1T17. O resultado foi influenciado pelo aumento das rendas de tarifas, redução das despesas de provisão e das despesas administrativas. O retorno sobre patrimônio líquido (RSPL) aumentou para 13,2%, o que reforça o compromisso com o aumento da rentabilidade.

A contínua busca de eficiência tem possibilitado a manutenção do controle das despesas administrativas que tiveram queda de 5,8% em relação ao último trimestre de 2017.

Com o desenvolvimento da estratégia digital e o avanço na reorganização institucional, o Banco do Brasil encerrou março com 588 agências digitais e especializadas, crescimento de 31% na comparação com março do ano passado. O número de funcionários em agências e escritórios digitais teve reforço de 4.465 funcionários na visão anual, fechando março com 9.428 dedicados aos segmentos Estilo e Exclusivo.

O índice de eficiência alcançou 38,5% no 1T18, ante 39,3% no 1T17. O índice de eficiência mede quanto o Banco gasta para gerar receita.

Inadimplência em queda – O índice de inadimplência (INAD+90) apresenta queda pelo terceiro trimestre consecutivo com 3,65% ao final do 1T18. A melhora da qualidade do crédito provém especialmente no segmento de pessoas jurídicas. Ao desconsiderar o caso específico, o índice de inadimplência acima de 90 dias do BB (3,22%) retorna ao patamar inferior ao do Sistema Financeiro Nacional (3,30%).

Como resultado, as despesas com provisões tiveram nova queda no trimestre, totalizando R$ 5,4 bilhões.

Crédito ao agronegócio – 
A carteira ampliada de agronegócio do BB atingiu R$ 184,7 bilhões no primeiro trimestre, aumento de 2,6% ante R$ 180,1 do 1T17. Destaque para operações de crédito rural (crescimento de R$ 9,7 bilhões) e FCO Rural (R$ 3,8 bilhão) em 12 meses.

O Banco mantém-se, historicamente, como o principal agente financeiro do agronegócio no país, contribuindo de forma expressiva para o suprimento da demanda de crédito do segmento. Conforme dados do Sistema Nacional de Crédito Rural (SNCR), o BB detém em março de 2018, 59% de participação nos financiamentos destinados ao setor.

Além disso, o BB permanece na vanguarda e protagonismo no setor, oferecendo praticidade e agilidade nas contratações. Apenas em 2018, mais de R$ 1 bilhão de crédito foi contratado via mobile.

Crédito à Pessoa Física – A carteira PF orgânica atingiu R$ 177,2 bilhões, alta 3,0% em relação ao mesmo período do ano anterior, com destaque para o crédito consignado com crescimento de 8,2% e o financiamento imobiliário que aumentou 6,8%.

Receita com tarifas – Resultado da diversificação e oferta assertiva de produtos e serviços, as rendas com tarifas alcançam R$ 6,5 bilhões no primeiro trimestre de 2018, 5,4% maior em relação ao mesmo período de 2017. Destaque para as linhas:

  • Administração de fundos (9,7%), reflexo da elevação dos recursos administrados que passaram de R$ 798,7 bilhões em mar/17 para R$ 906,8 bilhões em mar/18, alta de 13,5% em 12 meses;
  • Conta corrente, com aumento de 9,1% em 12 meses, resultado da especialização do atendimento;
  • Mercado de capitais, com aumento de 34,2% se comparado com 1T17 e;
  • Consórcios, com crescimento de 28,1% na comparação com o 1T17.
Compartilhe
Aquiles Emir
Editor chefe da Revista e do site do Maranhão Hoje. Sócio-proprietário da Class Mídia – Marketing e Comunicação