Maranhão imunizou em dezembro 96,8% dos animais bovinos e bubalinos

0
641

A Agência de Defesa Agropecuária (Aged), órgão vinculado à Secretaria Estadual de Agricultura (Sagrima), divulgou nesta segunda-feira (21) o balanço da  cobertura vacinal da segunda etapa de vacinação contra a Febre Aftosa em 2018. De 1º de novembro a 10 de dezembro, foram imunizados 96,87% do rebanho bovino e bubalino com faixa etária de zero a dois anos.

Em 2018, o Maranhão completou 15 anos sem ocorrências de foco de febre aftosa. No próximo ano, o Maranhão deve atingir o status de estado livre de febre aftosa sem vacinação, a partir de quando será retirado do calendário anual de vacinação.

Segundo o diretor-geral da Agência, Sebastião Anchieta, a Unidade Regional de São Luís conseguiu realizar 100% de cobertura vacinal contra febre aftosa no rebanho bovino e bubalino de sua jurisdição.

De acordo com o Ministério de Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa), embora a transmissão para seres humanos seja raríssima, a doença tem efeito devastador na comercialização, e a infecção pode afetar a abertura de mercados para produtos de origem animal.

Conquistas – Ao longo dos últimos quatro anos, a Aged conseguiu realizar um número expressivo de boas ações de defesa e inspeção agropecuária no estado. Uma delas foi o recebimento da Certificação Sanitária de Estado Livre das doenças “Influenza Aviária e Newcastle”. Além disso, entre os anos de 2017 e 2018, o Maranhão destacou-se no 1º lugar da Região Nordeste em crescimento no recolhimento de embalagens vazias de agrotóxicos.

A instituição realizou ainda acompanhamento técnico em 64 estabelecimentos da agroindústria familiar; desinfetou maquinários agrícolas para impedir a entrada e/ou disseminação de pragas agrícolas no território maranhense; bem como incrementou ações de fiscalização do vazio sanitário da soja, visando ao controle da doença Ferrugem Asiática, que pode representar perdas acima de 80% da produção do grão.

Registro  A Aged desenvolve, ainda, outra ação decisiva para que os consumidores tenham acesso a produtos de qualidade: a concessão de títulos de registro no Serviço de Inspeção Estadual (SIE) para estabelecimentos de produtos e subprodutos de origem animal, incluindo os abatedouros frigoríficos.

O registro é a garantia que os estabelecimentos preencham os requisitos higiênicos e sanitários necessários para desenvolver as atividades. Este registro permite as atividades de abate e manuseio das variadas espécies animais, podendo realizar a comercialização destes produtos apenas no território maranhense.

Atualmente, 11 estabelecimentos estão registrados no SIE, sendo cinco abatedouros frigoríficos (Axixá, São Bernardo, Tutóia, Açailândia e Barra do Corda), uma unidade de beneficiamento de cárneos, lácteos e pescados (São Luís), um entreposto de ovos (São Luís) e quatro Laticínios (Igarapé do Meio, Imperatriz, Itapecuru Mirim e Arari).

 

Compartilhe
Editor chefe da Revista e do site do Maranhão Hoje. Sócio-proprietário da Class Mídia – Marketing e Comunicação