Maranhão precisa triplicar infraestrutura de telefonia móvel, segundo dados da Fiema

0
134

Maranhão possui média de uma estação para 3,5 mil usuários

Para garantir eficácia no serviço de comunicação móvel no Maranhão, as operadoras de telefonia precisam triplicar a quantidade de atenas no estado. A avaliação foi feita, na Federação das Indústrias do Maranhão (Fiema), semana passada, quando da realização de reunião conjunta dos Conselhos Temáticos de Assuntos Legislativos e de Infraestrutura e Obras da instituição, quando foram debatidos os desafios e as oportunidades relacionados à infraestrutura de telecomunicações no Maranhão.

De acordo com dados da Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel), a cobertura móvel mínima recomendada às cidades é de mil usuários por estação. O desafio maranhense para alcançar esse número é grande, pois o estado, atualmente, possui a média de uma estação para 3.522 usuários, ou seja, é preciso triplicar o número de estações no estado.

A reunião foi presidida pelo presidente do Conselho Temático de Assuntos Legislativos, Cláudio Azevedo, e por Flávio Lima, representante do Conselho Temático de Infraestrutura e Obras.

“O tema debatido é uma prioridade na agenda industrial. Porque, hoje, vivemos uma verdadeira revolução nos processos produtivos. E, para que o Brasil faça parte desse momento de inovação, mantendo-se competitivo em um mundo digital e cada vez mais conectado, é preciso garantir uma infraestrutura de telecomunicações com a densidade necessária para viabilizar a navegação rápida de uma enorme quantidade de dados. Em outras palavras, é preciso facilitar a instalação de estações de rádio base e antenas, que permitem a conectividade por meio das tecnologias 4G e 5G”, destacou o superintendente da Federação, César Miranda.

Estima-se que nos próximos anos, fornecedores, fabricantes de equipamentos e operadoras de telecomunicação investirão cerca de R$ 35 bilhões para operacionalizar o 5G no Brasil. Quando falamos de infraestrutura passiva, somente empresas ligadas, à Associação Brasileira de Infraestrutura para as Telecomunicações (Abrintel) que representa 65% do setor no mercado nacional de torres, planeja investir R$ 6 bilhões. No entanto, esses investimentos são inibidos por leis municipais defasadas, que carecem de harmonização com as diretrizes federais relativas ao processo de licenciamentos para instalação de infraestrutura de telecomunicações.

Diretores da Fiema reunidos para debaterem infraestrutura de telecomunicação

Engajamento – O gerente executivo da Confederação Nacional das Indústrias (CNI), Pablo Cesário destacou na sua apresentação a importância das Federações das Indústrias na agenda de modernização do licenciamento de infraestrutura de telecomunicações.

“O engajamento das federações nessa pauta tem trazido avanços importantes como a aprovação da lei de antenas do Distrito Federal, a publicação da regulamentação para equipamentos de pequeno porte e votação em primeiro turno da lei de São Paulo, aprovação de lei estadual e algumas municipais no Rio de Janeiro, o início da discussão no Legislativo de Belo Horizonte e Goiânia”, relata Pablo.

A Gerente da Anatel no Maranhão, Karine Monteiro, destacou que “os investimentos são altos. Ainda temos que fazer chegar a informação de forma adequada, assim como a necessidade em levar a evolução a todos os municípios, bem como a atualização legislativa. Nós percebemos uma falta de conhecimento grande que gera uma disseminação de notícias inadequadas. Quanto a esse assunto, a agência tem o dever de repassar essa informação de uma forma mais clara”, disse a gerente.

O Secretário Municipal de Informação e Tecnologia de São Luís, Diego Rodrigues, informou que o município irá buscar a atualização da legislação para que a cidade chegue a uma nova era com a tecnologia 5G. “Ficamos contentes com a iniciativa da Fiema em buscar essa parceria, e nos comprometemos em contribuir para que esse avanço tecnológico chegue a nossa cidade”, frisou o secretário.

Compartilhe
Editor chefe da Revista e do site do Maranhão Hoje. Sócio-proprietário da Class Mídia – Marketing e Comunicação