Maranhão registra mais 4,3 mil tentativas de fraudes de identidade em novembro

64

Estado tem menor proporção à população no Nordeste

Segundo estudo da Serasa Experian, 4.309 consumidores do Maranhão sofreram tentativas de fraude de identidade, quando uma pessoas se passa por outra, no mês de novembro do ano passado. No Nordeste, o maior números desse tipo de tentativa de golpe foi na Bahia (mais de 12 mil), mas Pernambuco lidera o ranking proporcional, com 910 tentativas a cada 1 milhão de habitantes e o Rio Grande do Norte aparece em 2º lugar, com 895 tentativas a cada um milhão de habitantes.

Nesse critério, o Maranhão é o último, pois foram 598 para cada milhão de habitantes, embora seja o quarto em índice numérico.

Todos os Estados do Nordeste estão com resultados inferiores ao da média nacional, que marcou 1.315 tentativas de fraude a cada um milhão de habitantes.

Tentativas de fraude – No acumulado de janeiro a novembro, o Brasil registrou mais de 3,6 milhões de tentativas de fraude de identidade, o que representa uma a cada oito segundos.

“É um cenário expressivo, por isso, é fundamental que o consumidor tenha muita atenção com seus dados pessoais e as empresas devem investir em soluções de autenticação e prevenção à fraude, além de conscientizar seus clientes divulgando informações e orientações seguras”, diz o gerente executivo de Autenticação e Prevenção à Fraude da Serasa Experian, Rafael Garcia.

Ainda na análise do acumulado do ano, até novembro, as tentativas de fraudes relacionadas com o segmento de Bancos e Cartões lidera com 2 milhões. Em segundo lugar, estão as Financeiras, com 633 mil tentativas, seguido pelo setor de Serviços, com 589 mil. Varejo aparece em quarto lugar, com 288 mil pessoas que foram alvo e Telefonia em último lugar, com 86 mil.

Na visão por idade, a população com idade entre 36 e 50 anos foi a que mais sofreu, com 1,3 milhão. Em segundo lugar, estão os consumidores de 26 a 35 anos, que sofreram com 998 mil tentativas. Depois aparecem: 51 a 60 anos (509 mil tentativas); até 25 anos (414 mil tentativas) e acima de 60 anos (397 mil tentativas).

Veja dicas dos especialistas da Serasa Experian para consumidores e empresas evitarem ser vítimas de golpistas:

Consumidores:  

  • Inclua suas informações pessoais e dados de cartão se tiver certeza de que se trata de um ambiente seguro;
  • Desconfie de ofertas com preços muito abaixo do mercado. Nesses momentos, é comum que os cibercriminosos usem nomes de lojas conhecidas para tentar invadir o seu computador. Eles se valem de e-mails, SMS e réplicas de sites para tentar pegar informações e dados de cartão de crédito, senhas e informações pessoais do comprador;
  • Atenção com links e arquivos compartilhados em grupos de mensagens de redes sociais. Eles podem ser maliciosos e direcionar para páginas não seguras, que contaminem os dispositivos com vírus para funcionarem sem que o usuário perceba;
  • Cadastre suas chaves Pix apenas nos canais oficiais dos bancos, como aplicativo bancário, Internet Banking ou agências;
  • Não faça transferências para amigos ou parentes sem confirmar por ligação ou pessoalmente que realmente se trata da pessoa em questão, pois o contato da pessoa pode ter sido clonado ou falsificado;
  • Monitore o seu CPF com frequência para garantir que não foi vítima de qualquer fraude do Pix.

Empresas:  

  • Com a aceleração da adoção de canais digitais na vida dos consumidores, as empresas estão cada vez mais investindo em novos métodos de detecção de fraudes e tecnologias cada vez mais sofisticadas ao longo da jornada do cliente, para que a segurança da operação não afete sua experiência integrada. A Serasa Experian, por exemplo, tem soluções modulares inteligentes e um time de especialistas em autenticação e prevenção à fraude que possibilitam oferecer uma experiência segura e sem atrito ao cliente final. Com combinação de dados, analytics e soluções automatizadas, as empresas podem expandir os negócios com segurança.
  • Conte com plataformas de pagamento online. A empresa que deseja atuar de forma online, prestando serviços ou vendendo produtos, precisa ter a máxima atenção com os pagamentos. É preciso adotar uma sistemática que alie rapidez no processamento das transações à segurança;
  • Faça a análise de compras mais caras. Outra prática que pode reduzir bastante o risco de fraude online é a análise das compras. Sempre que a empresa se deparar com um pedido de alto valor, por exemplo, é necessário dedicar uma atenção especial, verificando de forma mais detalhada o cliente e os dados informados. Uma forma de garantir a segurança desse tipo de transação é realizando um contato prévio por e-mail ou telefone para confirmar dados ou a própria compra. Embora esse tipo de avaliação possa tornar o processo de venda mais longo, ele é essencial para resguardar o seu negócio contra fraudes;
  • Verifique cadastros. Contar com uma base de dados do cliente é essencial para reforçar a segurança de operações online. Nesse quesito, ter acesso a um cadastro atualizado dos consumidores, no qual é possível checar a veracidade das informações fornecidas no momento de uma compra, por exemplo, é outra estratégia para reduzir os riscos na hora de vender. A confirmação cadastral pode facilmente identificar tentativas de fraudes, sinalizando situações suspeitas, como divergências de dados do cliente com as que constam de outras bases de dados confiáveis;
  • Consulte o perfil do seu cliente. Conhecer o cliente é, sem dúvida, uma das maneiras mais eficientes de se evitar fraudes online. Quando a empresa é capaz de avaliar o histórico do consumidor no mercado, status do seu CPF ou CNPJ, os seus hábitos e a existência de pendências em seu nome, por exemplo. Fica muito mais fácil e seguro avaliar os riscos de uma operação.

Para conferir mais informações e a série histórica do indicador, clique aqui.

Metodologia – O Indicador Serasa Experian de Tentativas de Fraude – Consumidor é resultado do cruzamento de dois conjuntos de informações das bases de dados da Serasa Experian: 1) total de consultas de CPFs efetuado mensalmente na Serasa Experian; 2) estimativa do risco de fraude, obtida através da aplicação dos modelos probabilísticos de detecção de fraudes desenvolvidos pela Serasa Experian, baseados em dados brasileiros e tecnologia Experian global já consolidada em outros países. O Indicador Serasa Experian de Tentativas de Fraudes – Consumidor é constituído pela multiplicação da quantidade de CPFs consultados (item 1) pela probabilidade de fraude (item 2).

(Com informações do Comunique-se)

DEIXE UMA RESPOSTA

Digite seu comentário!
Digite seu nome aqui