Líder indígena guajajara dos Guardiões da Floresta é morto em Bom Jesus das Selvas

0
819
Paulo Paulino “Lobo Mau” Guajajara, Guardião da Amazônia, foi morto por madeireiros (Survival/divulgação)

O líder indígena Paulo Paulino Guajajara, do grupo denominado Guardiões da Floresta, foi assassinado numa emboscada armada por madeireiros nesta sexta-feira (1º) na Terra Indígena Arariboia, no município maranhense de Bom Jesus das Selvas. A informação foi confirmada pela Secretaria de Participação e Direitos Humanos do Maranhão.

Por meio do Twitter, o ministro da Justiça e Segurança Pública, Sergio Moro, disse que a Polícia Federal (PF) vai apurar o assassinato de Paulo Paulino Guajajara. “Não pouparemos esforços para levar os responsáveis por este crime grave à Justiça”, escreveu.

Outro líder, o índio Laércio Souza Silva, foi hospitalizado com ferimentos a bala, mas já teve alta, de acordo com a secretaria. O outro morto seria um madeireiro que participou da emboscada. O governo do Maranhão informou ter enviado equipes de segurança e direitos humanos para proteger os indígenas na região e ajudar nas investigações.

Segundo relatos, Laércio e Paulino, que era conhecido como “Lobo Mau”, haviam se afastado da aldeia para buscar água e foram cercados por pelo menos cinco homens armados que atiraram contra eles.

No Twitter, o governador do Maranhão, Flávio Dino, disse que a competência para apurar crimes contra os direitos indígenas é da esfera federal, mas que a polícia estadual colabora com as investigações. O governo estadual também ofereceu ajuda ao Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama) para combater queimadas na região, destacou o governador.

Em nota, a Articulação dos Povos Indígenas do Brasil (Apib) criticou a “ausência do poder público na proteção dos territórios indígenas”.

Paulo Paulino (centro) e Tainaky Tenetehar (esquerda) em uma patrulha anterior dos Guardiões, destruindo um acampamento de madeireiros ilegais em seu território. © Survival

Assassinatos – Pelo menos três Guardiões já foram assassinados e muitos de seus parentes também foram mortos por madeireiros e grileiros que invadem seu território, a Terra Indígena Arariboia, que agora é a última área de floresta que resta na região.

No início deste ano, Paulo Paulino disse à Survival: “Fico com tanta raiva de ver isso [a destruição da floresta]! Essas pessoas pensam que podem vir aqui, para a nossa casa e fazer o que querem da nossa floresta? Não. Não vamos permitir. Nós não invadimos suas casas e roubamos, não é? Meu sangue está fervendo. Estou com muita raiva”.

A líder indigenista Sonia Guajajara, coordenadora da APIB, afirmou que “é hora de dar um basta nesse genocídio institucionalizado! Parem de autorizar o derramamento de sangue de nosso povo!”.

Equipes da Funai e da polícia foram enviadas para a floresta a fim de encontrar o corpo de Kwahu, mas ainda não confirmaram a morte. A emboscada, no entanto, está sendo amplamente divulgada no Brasil. A Survival falou com o Tainaky Tenetehar que estava na emboscada e ele confirmou os fatos.

(Com informações da Agência Brasil e Survival)

Compartilhe

DEIXE UMA RESPOSTA

Digite seu comentário!
Digite seu nome aqui