Ministro do Meio Ambiente anuncia para domingo retirada de óleo do navio sul-coreano

0
642

“O plano [de retirada do óleo] deve ser apresentado e, provavelmente, executado entre os dias 8 e 10 de março, seguindo a um planejamento técnico e com toda a cautela necessária ao transbordo deste combustível [para outra embarcação]”, acrescentou o ministro.

Segundo Salles, a melhor forma de transferir parte do minério de ferro para outro navio ainda está sendo estudada, mas a expectativa é que, qualquer que seja o caso, baste retirar parte do material para que o navio, mais leve, volte a flutuar, podendo ser puxado sem maiores riscos.

“A princípio, bastará retirarmos [todo o óleo] e uma parte do minério para que o navio recupere a capacidade de flutuação e possa ser retirado [do banco de areia]”, disse o ministro, enfatizando que o navio se encontra estável e que o óleo que os tripulantes de uma aeronave equipada com sensores especiais avistaram na última sexta-feira ao redor do Stella Banner se “dispersou”.

“Já não há óleo no mar”, disse o ministro ao ser questionado sobre os cerca de 333 litros de material poluente que, segundo o Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama), espalhou-se pelo local do incidente entre a quinta-feira (27) e a sexta-feira (28), atingindo uma área de 0,79 quilômetros quadrados (km² ) ao redor do navio.

Segundo o ministro, esse óleo se dissipou no mar, e não houve nova detecção do combustível. “Agora, o monitoramento está sendo feito para verificar se não surge nova incidência de óleo – o que, até agora, não ocorreu. De qualquer forma, preventivamente, há lá, permanentemente, boias [de contenção especiais]. E também navios do tipo OSRV [do inglês Embarcação de Recuperação de Derramamento de Óleo, cedidos pela Petrobras].”

Em nota do último dia 29, a empresa sul-coreana Polaris Shipping afirmou que o óleo encontrado na véspera estava, provavelmente, espalhado pelo convés e no maquinário, tendo emergido após entrar em contato com a água do mar. Desde as primeiras análises da situação, a empresa vem garantindo que o tanque de combustível está preservado, não tendo ocorrido vazamentos de óleo – informação confirmada pelo Ibama.

De acordo com o Ibama, foi o próprio comandante do Stella Banner quem manobrou para encalhá-lo, de propósito, em um banco de areia de uma área de menor profundidade do canal da Baía de São Marcos.

A manobra serviu para evitar que a embarcação naufragasse ou ficasse à deriva depois que o comandante constatou que a água do mar estava entrando no navio por uma fissura na proa. O incidente ocorreu no último dia 26, dois dias após a embarcação ter deixado o Terminal Marítimo Ponta da Madeira. Os 20 tripulantes do navio foram resgatados em segurança.

Construído em 2016, o Stella Banner tem 340 metros de comprimento por 55 metros de largura. E é o segundo navio da Polaris Shipping a apresentar problemas após deixar o Brasil carregando minério. Em março de 2017, o Stellar Daisy naufragou após a tripulação comunicar que havia água entrando na embarcação, que estava adernando a cerca de 2.400 quilômetros da costa do Uruguai. Dias depois do pedido de ajuda, dois tripulantes foram resgatados, mas 22 trabalhadores que estavam a bordo do navio jamais foram encontrados.

Em notas, a Vale informa que está disponibilizando o suporte técnico-operacional necessário e colaborando com as autoridades marítimas. Diz ainda que o fato de o navio estar encalhado a cerca de 100 quilômetros da costa da capital maranhense, não afetou as operações no terminal marítimo Ponta da Madeira.

(Agência Brasil)

Compartilhe

DEIXE UMA RESPOSTA

Digite seu comentário!
Digite seu nome aqui