Marinha faz balanço de ações no Haiti e destaca missão cumprida

0
1038
100316-N-9116F-001 PORT-AU-PRINCE, Haiti (March 16, 2010) A Brazilian U.N. peacekeeper walks with Haitian children during a patrol in Cite Soleil, a section of Port-au-Prince. Several U.S. and international military and non-governmental agencies are conducting humanitarian and disaster relief operations as part of Operation Unified Response after a 7.0-magnitude earthquake caused severe damage in and around Port-au-Prince, Haiti Jan. 12. (U.S. Navy photo by Mass Communication Specialist 1st Class David A. Frech/Released)

A Marinha do Brasil deu início nesta terça-feira (28) no Rio de Janeiro a um seminário para avaliar os 13 anos da experiência brasileira na Missão das Nações Unidas para Estabilização do Haiti (Minustah). O evento, que vai até amanhã (29), conta com a participação de oficiais das três Forças Armadas brasileiras – Marinha, Exército e Força Aérea -, além de diplomatas, pesquisadores e outros interessados.

A Minustah foi criada por Resolução do Conselho de Segurança da ONU em fevereiro 2004. O objetivo era restabelecer a segurança e a normalidade após sucessivos episódios de turbulência política e violência que culminaram com a partida para o exílio do então presidente Jean Bertrand Aristide. A missão foi encerada no mês passado. Durante os 13 anos, o Brasil foi responsável pelo comando militar, que teve ainda a participação de tropas de outros 15 países.

“Quando chegamos lá, o país estava a beira de uma guerra civil e passados esses anos se tornou um lugar melhor. Só não ficou melhor ainda devido a uma série de catástrofes naturais. Mas, em termos de segurança, houve a estabilização do país. Em termos do processo político, tivemos pela primeira vez uma sequência de dois presidentes democraticamente eleitos. Antes, era raríssimo um presidente concluir seu mandato”, avalia o contra-almirante Carlos Chagas, que foi assistente do primeiro comandante da missão, o general Augusto Heleno.

Tragédias – Durante os 13 anos da Minustah, as forças de paz presenciaram no Haiti dois furacões, inundações em períodos chuvosos, uma epidemia de cólera e um terremoto, ocorrido em 12 de janeiro de 2010, que deixou 240 mil mortos e 1,5 milhão de desabrigados. Diante de tantas adversidades, Carlos Chagas afirma que a sensação das Forças Armadas é de dever cumprido.

“Fizemos o melhor que podíamos. E foi também uma experiência real de emprego das Forças Armadas, o que as deixa cada vez mais profissionais, mais treinadas e capazes de assumir novos desafios. Também permite um preparo maior para a própria defesa do país, que é a nossa missão fundamental”, acrescentou.

O oficial da Marinha dividiu a missão de paz em fases. Segundo ele, primeiro houve a chegada e acomodação das tropas, passando em seguida para o confronto com grupos que colocavam em risco o processo de paz. Após o terremoto, teria se iniciado um trabalho humanitário mais intenso, até que fosse desencadeado a fase final de desmobilização.

Embaixador do Brasil no Haiti na época em que houve o terremoto, Igor Kipman lembrou que o hospital da Força Aérea Brasileira (FAB) realizou mais de 36 mil procedimentos clínicos e mais de 1,1 mil cirurgias. “Nós trouxemos um aprendizado muito grande sobre a integração das Forças Armadas com a comunidade”, disse o diplomata, atualmente cônsul-geral na cidade de Faro, em Portugal.

Perspectivas – O seminário também abriu espaço para se discutir as lições e perspectivas das forças de paz da ONU. Segundo Ricardo Oliveira dos Santos, pesquisador de relações internacionais da Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro, um dos principais desafios destes trabalhos é coibir os casos de abuso e exploração sexual.

Resultado de imagem para marinha do brasil no haiti

De acordo com ele, estes episódios podem ocorrer em decorrência da cultura hipermasculinizada que frequentemente existe nas Forças Armadas dos diversos países e a também do contexto frágil dos Estados assistidos, o que faz com que muitas vítimas não exponham a situação pelo medo de perder as ajudas humanitárias, fazendo com que esses casos sejam subnotificados. “Nenhum brasileiro foi efetivamente condenado por exploração sexual, o que denota um comportamento de excelência das Forças Armadas do Brasil, mas, infelizmente, nós observamos a persistências desses casos em forças de paz”, disse o pesquisador.

De acordo com o contra-almirante Carlos Chagas, a experiência no Haiti coloca o Brasil em boa posição para integrar novas missões de paz. Atualmente, o foco é a Força Interina das Nações Unidas no Líbano (Unifil). Desde 2011, a Marinha brasileira comanda a Força-Tarefa Marítima da Unifil. São realizadas operações marítimas para coibir a entrada de armas ilegais e contrabandos no país. Além disso, são organizados treinamentos para a Marinha libanesa, de modo que ela possa futuramente conduzir as atividades de forma autônoma.

A Unifil teve início em 1978, com a participação inicialmente de países integrantes da Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan), cujo objetivo era assegurar a retirada de tropas israelenses do Líbano e restaurar a segurança na região. Após a crise de 2006 entre forças de Israel e o grupo islâmico político e militar Hezbollah, as atribuições foram ampliadas. As forças da ONU assumiram as tarefas de monitorar a cessação das hostilidades, de apoiar o deslocamento das Forças Armadas libanesas e de garantir acesso humanitário à população civil, permitindo ainda o retorno seguro e voluntário dos deslocados.

Compartilhe
Aquiles Emir
Editor chefe da Revista e do site do Maranhão Hoje. Sócio-proprietário da Class Mídia – Marketing e Comunicação