Missão cubana junto à ONU denuncia pressão dos Estados Unidos para promover protestos na ilha

0
174

Governo classifica manifestação como desordens orquestradas

A Missão Permanente de Cuba junto às Nações Unidas responsabilizou a “maior pressão” que o Governo dos Estados Unidos exerce sobre a ilha por meio do bloqueio econômico e das sanções , pelos protestos ocorridos em algumas cidades no último domingo.

Em nota, a missão assegurou que “as desordens e incidentes ocorridos em algumas localidades de Cuba, neste dia 11 de julho, são fruto de um plano traçado pelo Governo dos Estados Unidos para, oportunisticamente, exercer a maior pressão possível. Contra nosso país. . “

Ele acrescentou que esta situaçãoOcorre “em um momento em que enfrentamos uma situação complexa, derivada de 16 meses de confronto com a pandemia e a atual eclosão, além do forte ressurgimento do bloqueio e das brutais restrições que impõe ao povo cubano”.

“Isso afetou seriamente o funcionamento normal da economia cubana ao reduzir drasticamente as receitas de exportação de bens e serviços, o acesso a combustível e remédios e material médico”, indica o documento.

O texto sustenta que “estas medidas pretendem apresentar um país em colapso e em caos, para provocar uma eclosão social e justificar uma intervenção externa.

Os Estados Unidos colocam mais pressão na ilha

“Está demonstrada a participação dos Estados Unidos . O financiamento concedido a particulares em Cuba e no exterior é público para criar em nosso país pequenos grupos que promovam a desordem interna, provocem e executem atos contra instituições e cometam ações terroristas”, acrescenta.

Ele observa que, entre outras coisas, “também se tentou desacreditar o Governo cubano em relação à gestão da pandemia e se pretende minar os indicadores epidemiológicos nacionais, que refletem os resultados do intenso trabalho realizado, para preservar vidas Como resultado desse esforço conjunto, temos nossa própria vacina e quatro outras vacinas candidatas.

“Noutra secção, o comunicado acrescenta: “ Denunciamos , nos termos mais veementes, os atos violentos promovidos e perpetrados por elementos criminosos, incluindo ataques às forças da ordem pública”.

“O plano que causou os incidentes de 11 de julho fracassou. O funcionamento normal das instituições se mantém, nas condições impostas pela emergência sanitária. O Estado e o Governo cubano e suas instituições têm pleno controle da situação”, enfatiza.

“O Governo tem tomado e vai tomar as medidas necessárias para garantir a paz e a tranquilidade dos cidadãos.Em nenhum momento, como alguns disseram maliciosamente, as autoridades cubanas convocaram o confronto e a violência entre os compatriotas ”, adverte o comunicado.

Por fim, afirma:“ Denunciamos energicamente a campanha de desinformação e descrédito articulada em Washington. Diante dessas manobras e das tentativas de projetar uma imagem de instabilidade, rompendo com a tranquilidade do cidadão e com nosso Estado de Direito e Justiça Social, o pacífico povo cubano de profunda vocação humanista não renunciará um jota à construção de um inclusivo, sociedade democrática, próspera e sustentável com todos e para o bem de todos ”.

(Com informações e imagens da agência argentina Télam)

Compartilhe
Editor chefe da Revista e do site do Maranhão Hoje. Sócio-proprietário da Class Mídia – Marketing e Comunicação