Morre no Rio de Janeiro menina de 06 anos torturada pela mãe e sua amante

2
495

Ketelen teve o mesmo tratamento recebido pelo menino Henry Borel

AQUILES EMIR

Agredida com os mesmos requintes de crueldade a que foi submetido o menino Henrique Borel, pelo casal hetero Dr. Jairinho (padrasto) e Monique (mãe), morreu na madrugada deste domingo (25), também no Rio de Janeiro, a menina Ketelen (06 anos) torturada pelo casal de lésbicas Brena Nunes (madrasta) e Gilmara de Farias (mãe). Ketelen Vitória Oliveira da Rocha foi agredida em sua casa, em Porto Real, no interior fluminense,  pelas duas amantes.

Segundo informações do jornal Extra, a menina estava internada em estado grave, com quadro de politraumatismo e coma arreflexo, desde segunda-feira (19). O boletim médico do hospital diz que ela sofreu uma parada cardiorrespiratória e não resistiu.

De acordo com a polícia, Ketelen foi espancada pela madrasta, Brena Luane Barbosa Nunes, de 25 anos, e pela mãe, Gilmara Oliveira de Farias, de 27 anos. As agressões começaram na sexta-feira (16) e se estenderam até a segunda (19).

O caso ganhou repercussão nacional por ter ocorrido dias após a morte de Henry Moreira, que residia na zona nobre do Rio de Janeiro.

Henry –  No mês passado, a professora Monique Medeiros e seu amante, o vereador e médico Jairo Souza Santos Júnior (sem partido), o Dr. Jairinho, foram acusados de submeterem Henry, filho dela, a torturas que resultaram em sua morte. Mãe e padrasto estão presos.

Henry, segundo apuração da polícia, era submetido a torturas constantes pelo vereador, que vinha sendo acobertado pela amante. Na noite em que a criança foi levada ao hospital, quase desfalecida, a alegação do casal para o caso foi uma queda da cama, hipótese descartada pelos médicos para a gravidade das lesões.

(Com informações da Istoé e CNN Brasil)

 

Compartilhe
Editor chefe da Revista e do site do Maranhão Hoje. Sócio-proprietário da Class Mídia – Marketing e Comunicação

2 COMENTÁRIOS

Comments are closed.