Ex-guerrilheiro Gustavo Petro eleito primeiro presidente de esquerda na Colômbia

0
179

 Ex-prefeito de Bogotá obteve 50,47% dos votos

Gustavo Petro, líder da coalizão do Pacto Histórico, foi eleito neste domingo o primeiro presidente de esquerda na Colômbia após vencer o segundo turno das eleições com 50,47% dos votos sobre o magnata Rodolfo Hernández. Ele defende redistribuição pelo “bem viver” e que promete uma mudança na economia com o cuidado com o meio ambiente junto com sua vice, a ativista Francia Márquez, a primeira mulher afro a ocupar esse cargo.

Ao contrário do que as pesquisas previam, a vitória de Gustavo Petro não foi tão próxima quanto o esperado. Com 99,88% das mesas examinadas na contagem preliminar do Cadastro Nacional, o ex-prefeito de Bogotá foi consagrado Presidente com 50,47% dos votos (11.277.905 de votos) contra 47,28% Hernández (10.565.106 de votos).

O magnata pediu que o presidente eleito seja “fiel ao seu discurso contra a corrupção” em seu futuro governo.

“Que a Colômbia caminhe para a mudança que prevaleceu” nas eleições do final de maio, Hernández exigiu em um discurso transmitido por suas redes sociais, no qual agradeceu aos cidadãos que aceitaram sua proposta “mesmo que tenha sido um perdedor”.

A participação dos eleitores também esteve em níveis históricos e em relação ao primeiro turno realizado em 29 de maio, registrou um aumento de mais de um milhão e duzentos mil eleitores. No primeiro turno era pouco mais de 54%, ou seja, cerca de 21 milhões de pessoas, e neste domingo subiu para 58,02%, mais de 22.600.000, o que marcou uma afluência histórica.

Com os partidos tradicionais fora das urnas, a campanha presidencial caracterizou-se pela necessidade de uma “mudança”, mas com propostas antagônicas que levaram a um cenário de polarização.

Mas, finalmente, a tendência se tornou evidente antes das 17h (19h, horário da Argentina), menos de uma hora antes do fechamento das urnas.

Uma expressão da polarização foi a distribuição de votos no território: enquanto Petro venceu novamente nos departamentos do norte, oeste e sul, incluindo a capital Bogotá, Hernández prevaleceu no centro e leste da Colômbia.

Gustavo Petro terá que governar com apoio do Congresso, onde terá maioria no Senado, mas sem quórum próprio. Na Câmara Alta, o Pacto Histórico tem 20 dos 108 assentos e na Câmara dos Deputados tem 28 dos 188 assentos.

Além disso, durante a campanha Petro recebeu o apoio de nove dos 16 deputados do Congresso eleitos nos Distritos Transitórios Especiais de Paz, distritos que em 2022 participaram de uma eleição pela primeira vez após a assinatura dos Acordos de Paz.

Petro, 62, juntamente com Francia Márquez, 40, como companheira de chapa, chegou a esta votação depois de vencer o primeiro turno em 29 de maio com sua coalizão de esquerda chamada Pacto Histórico , que reúne partidos políticos, sindicatos, grupos indígenas e defesa das minorias sexuais, movimentos sociais e camponeses.

PropostasPetro se tornará presidente da Colômbia em 7 de agosto Foto Pablo AeliO programa de Petro atribui um papel mais ativo ao Estado em questões como pensões, já que ele quer tender a desprivatizar o sistema para um misto, e arrecadação, pois promove uma reforma tributária estrutural com justiça social. Ao mesmo tempo, insiste na ideia de “democratização do Estado”, “participação vinculativa dos cidadãos” e na formação de “orçamentos participativos”.

Apesar de não ter sido um dos eixos principais da campanha, Petro afirmou em seu programa que cumprirá o Acordo Final de Paz e que avançará “no diálogo com o ELN” para “acabar com a insurgência armada” e “Vamos submeter à justiça os grupos multicriminosos” (lá colocou “parcialmente” o ELN).

A figura de Francia Márquez foi um ponto de empurrão para a campanha do Pacto Histórico. Ela será a primeira vice-presidente em um país em que quase 10% da população é negra ou tem essa origem.

Márquez foi “testado” nas urnas, porque foi rival de Petro nas interconsultas de março e obteve cerca de 785 mil votos. Tem uma militância ambientalista e feminista, foi participante das conversações de paz com as FARC, distinguida com vários prémios internacionais, e sofreu um ataque por essa participação. Diferentes organizações feministas expressaram apoio à sua figura.

https://twitter.com/FranciaMarquezM/status/1538650730952785920?ref_src=twsrc%5Etfw%7Ctwcamp%5Etweetembed%7Ctwterm%5E1538650730952785920%7Ctwgr%5E%7Ctwcon%5Es1_c10&ref_url=https%3A%2F%2Fwww.telam.com.ar%2Fnotas%2F202206%2F596014-colombia-petro-elecciones.html

Gustavo Petro estará à frente do governo do país de agosto até 2026. Durante este período, ele terá que atender à grave situação alimentar que atravessa a Colômbia, país no qual cerca de 60% da seus habitantes não têm emprego registrado e 42% estão na pobreza.

O governo Duque foi o principal alvo de críticas durante os meses de protestos liderados pelo chamado Comitê Nacional de Desemprego (CNP) contra o alto custo de vida em 2021.

Das cinco eleições em que foi necessário um segundo turno para definir o presidente da Colômbia desde que esse mecanismo foi incorporado à Constituição, em 1991, em duas ocasiões, 1998 e 2014, a votação deu vitória a quem ficou em segundo lugar. Verifica.

(Agência Telam, da Argentina, com fotos de Pablo Añeli)

Compartilhe
Editor chefe da Revista e do site do Maranhão Hoje. Sócio-proprietário da Class Mídia – Marketing e Comunicação

DEIXE UMA RESPOSTA

Digite seu comentário!
Digite seu nome aqui