Ex-presidente da Nissan Carlos Ghosn foge do Japão para o Líbano

0
563

O ex-presidente do conselho de administração da Nissan Carlos Ghosn divulgou nesta terça-feira (31) um comunicado, por meio de seu assessor de imprensa, em Nova York, que deixou o Japão, onde estava em prisão domiciliar, e está no Líbano.

Na declaração, Ghosn crítica a Justiça japonesa, diz que não fugiu, mas que escapou “da injustiça e da perseguição política”.

“Eu estou agora no Líbano e não serei mais refém do manipulado sistema de justiça japonês, onde a culpa é presumida, a discriminação é desenfreada e os direitos humanos são negados, em flagrante desrespeito às obrigações legais do Japão sob o direito internacional e os tratados que deve obedecer. Eu não fugi da justiça, eu escapei da injustiça e da perseguição política. Eu posso agora finalmente me comunicar livremente com a imprensa e pretendo começar na semana que vem.”

Acusado de fraudes financeiras no Japão, o empresário franco-brasileiro Carlos Ghosn, de 64 anos, cumpria prisão domiciliar em Tóquio. No passado, ele ocupou a presidência da Nissan, mas foi destituído, encerrando quase duas décadas na empresa.

Liberdade – Na quinta-feira passada (25), dia de Natal, o Tribunal Distrital de Tóquio concedeu liberdade sob fiança, pela segunda vez, a Ghosn, que havia sido liberado no dia 6 de março, depois de passar 108 dias em detenção, pagando uma fiança no valor de US$ 9 milhões, mas foi preso novamente no dia 4 de abril.

O tribunal determinou uma fiança adicional no valor de US$ 4 milhões.

Os promotores devem recorrer à decisão da corte de conceder liberdade a Ghosn. Caso o tribunal rejeite o recurso e Ghosn pague a fiança, ele poderá sair do Centro de Detenção de Tóquio ainda hoje.

(Agência Brasil com informações da NHK, emissora pública de televisão do Japão)

Compartilhe

DEIXE UMA RESPOSTA

Digite seu comentário!
Digite seu nome aqui