O Antagonista desvenda manipulação do site The Intercept sobre os diálogos de Sergio Moro

1
2565

AQUILES EMIR

O portal O Antagonista publicou neste sábado (29) o que pode ser a maior prova de que o editor do site The Intercept Brasil, o norte-americano Glen Greenweald, manipula os textos que diz ter recebido anonimamente como diálogos que teriam sido travados entre o ministro da Justiça, Sergio Moro, com procuradores da Lava Jato, quando juiz de Direito em Curitiba (PR). Ao se dar conta de que, na sua postagem deste sábado, um dos críticos de Moro, o procurador Ângelo Goulart Vilella, fora preso em 2017, por crime de corrupção, Greenweald se apressou em corrigir a postagem e passou a identificá-lo apenas como Ângelo.

Greenwald cometeu outro ato falho ao perceber que havia dado pistas da sua conduta nas publicações a conta gotas, agora em parceria com o jornal Folha de São Paulo e a revista Veja, contra o ministro da Justiça. Ele publicou uma mensagem, logo em seguida apagada, em que insinuava como modifica os originais dos textos.

Ao se justificar-se sobre a troca do nome do procurador Ângelo Goulart Villela numa das mensagens publicadas por seu site, Glenn Greenwald afirma que “foi um erro de edição apanhado pela checagem de fatos antes da publicação”.

O Antogonista, então o corrige: “jornalistas de verdade não “editam” reproduções de provas. Checagem existe apenas nos textos das reportagens”.

Para O Antagonista, “a justificativa de Greenwald é, na verdade, uma confissão de que o Intercept pode adulterar o conteúdo do que exibe como documentos”.

Ao analisar a última postagem de o Intercept, o site O Antagonista percebeu que o dono do site, Glenn Greenwald, deu um “escorregão” e mostrou a fragilidade de suas notícias. “No print publicado em sua página – e que ele apagou correndo -, uma frase é atribuída ao procurador Ângelo Goulart Villela, preso em 2017”, destacou.

Algum tempo depois, o site “corrigiu” o nome do procurador para Ângelo Augusto Costa. Na versão final, ficou apenas Ângelo.

Diante destas evidências, O Antagonista conclui que “se o Intercept pode mexer num nome, ele pode violar também qualquer outra parte dos arquivos, acrescentando ou eliminando frases”, e setencia: “É a prova de que essas provas são lixo”.

E veja a versão final:

 

Compartilhe
Editor chefe da Revista e do site do Maranhão Hoje. Sócio-proprietário da Class Mídia – Marketing e Comunicação

1 COMENTÁRIO

  1. Mesmo que não houvesse manipulação, o que houve, o que foi revelado como a grande bomba H da esquerda , só serviu para mostrar a competência e seriedade do grande juiz Moro, nosso herói e futuro presidente do Brasil.

Comments are closed.