Para 32% dos brasileiros, Bolsonaro faz governo ótimo ou bom, mesmo percentual de ruim ou péssimo

0
601

Pesquisa Ibope encomendada pela Confederação Nacional da Indústria (CNI) divulgada nesta quinta-feira (27) mostra que 32% dos brasileiros consideram o atual governo ótimo ou bom, o mesmo percentual dos que avaliam como ruim ou péssimo.  A parcela que desaprova a maneira de governar de Jair Bolsonaro é de 48%, enquanto que a aprovação é de 46%, ou seja, empate técnico.

Os três indicadores que medem a popularidade do presidente registram piora entre abril e junho. O percentual dos que avaliam o governo como ruim ou péssimo subiu de 27% para 32%, enquanto o percentual da população que avalia o governo como ótimo ou bom oscila, indo de 35% para 32% (dentro da margem de erro da pesquisa, de 2 pontos percentuais para cima e para baixo).

No que diz respeito à maneira de governar do presidente Bolsonaro, o percentual de desaprovação cresceu de 40% para 48%, enquanto a aprovação recuou de 51% para 46%. A confiança no presidente também diminui. O percentual dos que confiam passou de 51% para 46% e o dos que não confiam, de 45% para 51%.

Com relação às ações e políticas por áreas específicas, o maior crescimento da insatisfação ocorre na área de Educação. O percentual dos que desaprovam a atuação do governo nessa área sobe 10 pontos percentuais, de 44% para 54%, e o percentual dos que aprovam cai de 51% para 42%.

A queda na popularidade do presidente é maior entre as mulheres, entre os com instrução até a quarta série da educação fundamental, entre os com menor renda familiar e entre os residentes nas regiões Norte/Centro-Oeste e Nordeste.

Cabe ressaltar que parcela importante da mudança deve-se à redução do percentual dos indecisos, ou seja, aqueles que não souberam ou não quiseram responder a pergunta. A popularidade do governo Jair Bolsonaro melhorou na região Sul, onde 52% da população dizem que o governo é ótimo ou bom. Em abril, esse número era de 44%. Além disso, 63% dos que moram no Sul consideram o governo Bolsonaro melhor do que o de Michel Temer.

A pesquisa também avalia a atuação do governo em nove áreas. As ações na área de segurança pública têm a melhor percepção, com 54% de aprovação. Em seguida, vem o meio ambiente, com 46% de aprovação, e o combate à inflação, com 45% de avaliação positiva.  Em educação, a aprovação é de 42% e, em combate ao desemprego, de 41%.

A margem de erro da pesquisa é de 2 pontos percentuais para mais ou para menos e o nível de confiança é de 95%.

Modo de governar – O aumento da insatisfação com o governo também se reflete na avaliação por áreas de atuação. Em cinco das nove áreas avaliadas, o percentual de desaprovação oscila para cima dentro da margem de erro da pesquisa e, nas quatro demais, o crescimento é acima da margem de erro.

Em Educação, o percentual de desaprovação sobe 10 pontos percentuais, de 44% para 54%, fazendo com que a área passe da segunda para a quinta posição entre as áreas melhor avaliadas. Combate ao desemprego, Saúde e Impostos foram as outras áreas com aumento signifi cativo da desaprovação.

Segue a avaliação do governo por áreas específicas:

  • Segurança pública – 54% aprovam, 43% desaprovam, 3% não sabem
  • Meio ambiente – 46% aprovam, 45% desaprovam, 9% não responderam
  • Combate à inflação – 45% aprovam, 49% desaprovam,
  • Combate à fome e à pobreza – 43% aprovam, 51% desaprovam e 6% não sabem
  • Educação – 42% aprovam, 54% desaprovam, 4% não responderam
  • Combate ao desemprego – 41% aprovam, 55% desaprovam, 4% não responderam
  • Saúde – 40% aprovam, 56% desaprovam, 4% não responderam
  • Impostos – 33% aprovam, 66% desaprovam, 6% não responderam
  • Taxa de juros  – 32% aprovam, 59% desaprovam, 9% não responderam

(Com informações da Agência CNI)

Compartilhe
Editor chefe da Revista e do site do Maranhão Hoje. Sócio-proprietário da Class Mídia – Marketing e Comunicação