Para Zé Reinaldo, Roseana não disputará o governo, mas seria forte candidata ao Senado

0
1298

AQUILES EMIR

Pré-candidato a senador – espera estar no mesmo arco de aliança do projeto de reeleição do governador Flavio Dino (PCdoB) – o deputado federal José Reinaldo Tavares (PSB) admite que se a ex-governadora Roseana Sarney (PMDB) se dispuser a concorrer também a este cargo será uma forte candidata a uma das duas cadeiras que vão estar disponíveis a partir de 2019, o que pode aumentar as chances de ser eleito apenas um, por cada lado dos envolvidos na disputa.

A declaração foi dada numa entrevista exclusiva para a revista Maranhão Hoje, edição de março, que chega às bancas na próxima semana. Segundo o deputado, o governador Flávio Dino corre poucos riscos de não se reeleger, até porque até o momento não surgiu um nome à altura de confrontá-lo em condições de equilibrar a disputa. Zé Reinaldo não acredita que Roseana tentará o quinto mandato de governadora, e acha que o Grupo Sarney, por não ter se renovado, ficará sem opção para lançar um nome competitivo.

Quanto à candidatura do senador Roberto Rocha (PSB), acha que ele vai precisar de musculatura partidária e isto vai depender do que acontecerá com o PSDB, já que é muito ligado ao governador paulista, Geraldo Alckmin, mas o vice-governador Carlos Brandão é de confiança do senador Aécio Neves, ou seja, Rocha vai depender da disputa presidencial para se viabilizar, e resta saber com quem poderá contar.

Na entrevista, José Reinaldo analisa também a situação delicada da economia do Maranhão. Diz que o governador Flávio Dino enfrenta uma situação que não criou, pois trata-se de uma consequência da crise mundial, mas vem conseguindo manter o estado numa situação bem mais confortável do que outras unidades da Federação, já que muitos governadores não estão conseguindo sequer manter a folha do funcionalismo em dia.

Zé Reinaldo admite que Roseana pode embolar a disputa pelo Senado

O deputado também avalia o difícil momento por que passa a classe político com o avanço das investigações da Lava Jato. Para ele, é preciso separar nesse vendaval de delações o que foi contribuição de campanha, legal, e o que foi propina, corrupção, pois muitos depoimentos sobre o que era comum nas campanhas eleitorais – o patrocínio privado – chegam à população como se tivesse havido corrupção nestas relações entre políticos e empresários.

José Reinaldo garante também que, apesar de vir sendo sondado para concorrer o Governo do Estado, não tem a menor intenção de disputar o cargo, pois se sente honrado por já tê-lo exercido e torna-se ainda mais difícil sua candidatura se for para concorrer com o atual governador, que ajudou a eleger deputado em 2006, o acompanhou em 2010 (quando foi derrotado por Roseana) e estava novamente em seu palanque em 2014.

Sobre suas relações com o Grupo Sarney, diz que a situação hoje a mais tranquila, pois conversa normalmente com o ministro Sarney Filho e com outros integrantes, como João Alberto e Edison Lobão, mas não tem aproximação com Roseana.

Compartilhe
Aquiles Emir
Editor chefe da Revista e do site do Maranhão Hoje. Sócio-proprietário da Class Mídia – Marketing e Comunicação