Pesquisa identifica efeitos da pandemia junto a funcionários da Caixa Econômica

0
168

Bancários atuaram no atendimento à população

A Federação Nacional das Associações do Pessoal da Caixa Econômica Federal (Fenae) começou, esta semana, uma pesquisa para identificar as condições de saúde dos empregados do banco, que se mantiveram na linha de frente do atendimento à população em todo o período da pandemia. “Sabemos que a saúde mental dos trabalhadores ficou ainda mais comprometida em virtude da pandemia. Com esta nova pesquisa, pretendemos mapear onde estão os problemas e propor soluções para melhorar a vida dos bancários da Caixa”, destaca o presidente da Fenae, Sergio Takemoto.

Antes da crise sanitária provocada pela Covid-19, o quadro de saúde psicológica dos empregados da Caixa Econômica já preocupava a federação: levantamento feito pela entidade em parceria com a Universidade de Brasília (UnB) revelou que mais da metade dos trabalhadores do banco (53,6%) havia passado por pelo menos um episódio de assédio moral. O estudo também mostrou que quase 20% dos trabalhadores ativos revelaram ter depressão ou ansiedade. O percentual de bancários que buscavam acompanhamento regular psicológico ou psiquiátrico era de 19,6%. E 47% dos empregados tinham conhecimento de algum episódio de suicídio entre colegas.

A nova pesquisa, por amostragem, irá reunir opiniões e experiências que os trabalhadores da Caixa [ativos e aposentados] têm sobre a própria saúde física e mental, dentro e fora do trabalho. Os formulários já começaram a ser enviados aos bancários e atendem à Lei Geral de Proteção de Dados Pessoais (LGPD).

“Os dados coletados irão subsidiar a Fenae e as associações de pessoal do banco (Apcefs) na construção de ações de saúde e bem-estar, além de auxiliar nas nossas reivindicações junto à direção da Caixa para a melhoraria das condições de trabalho dos empregados”, acrescenta Takemoto.

Estudo realizado este ano pela Associação de Gestores da Caixa no Rio de Janeiro (Agecef-Rio) e o Departamento Intersindical de Estatísticas e Estudos Socioeconômicos (Dieese) revelou o adoecimento dos empregados do banco público em consequência da sobrecarga de trabalho e da cobrança de metas desumanas no contexto da pandemia. Segundo o levantamento, 88% dos trabalhadores ouvidos declararam ter tido sentimentos negativos, como ansiedade, depressão, angústia e pânico. O levantamento apontou ainda que 74% dos entrevistados avaliaram que metas internas interferiram de forma negativa sobre sua saúde mental dos bancários da Caixa.

Campanha — Desde 2019, a Fenae desenvolve a campanha “Não Sofra Sozinho”. A iniciativa prevê medidas de prevenção ao adoecimento mental no ambiente de trabalho.

Uma das ações é o desenvolvimento de estratégias para a implementação de serviços de assistência aos empregados da Caixa que estejam em sofrimento. A campanha — que é permanente — também subsidia a Fenae e as Apcefs na proposição e execução de políticas e práticas sindicais e institucionais de prevenção a psicopatologias do trabalho.

Compartilhe
Editor chefe da Revista e do site do Maranhão Hoje. Sócio-proprietário da Class Mídia – Marketing e Comunicação