PL quer que o TSE desconsidere votos de mais de 250 mil urnas eletrônicas suspeitas

96

Equipamentos não poderiam ter resultado validado

O Partido Liberal (PL) vai ingressar, até terça-feira (22), com um pedido junto ao Tribunal Superior Eleitoral (TSE) para que sejam desconsiderados os votos de 250 mil urnas.  Os equipamentos, segundo o presidente da legenda têm a mesma numeração de tombamento, portanto são suspeitas.

Valdemar da Costa Neto, como informa a Veja, enviará um documento ao TSE), questionando as urnas eletrônicas usadas nas eleições deste ano, que terminaram com a vitória de Luiz Inácio Lula da Silva.

Em um vídeo compartilhado nas redes sociais, o presidente do PL, sem entrar em detalhes ou apresentar provas, diz que o partido encontrou cerca de 250 mil urnas (quase metade do total, que é de 536 mil), fabricadas antes de 2020, que possuem o mesmo número de patrimônio e, por isso, não poderiam ser consideradas na eleição.

“Vamos mostrar que essas urnas não podem ser consideradas. Não queremos propor novas eleições ou agitar o país, mas o TSE tem que decidir o que vai fazer”, disse Valdemar.

A declaração foi feita dez dias após a divulgação do relatório das Forças Armadas, que não confirma a lisura do processo eleitoral. O documento, que não aponta fraude, mas levanta suspeitas, era a principal esperança dos apoiadores de Bolsonaro que não aceitaram a derrota do presidente para reversão do resultado da votação de 30 de outubro.

DEIXE UMA RESPOSTA

Digite seu comentário!
Digite seu nome aqui