Queda nas vendas do comércio varejista no Maranhão em setembro é a maior do país, segundo IBGE

0
245

Comparado a setembro de 2019, houve avanço de 21,6%

As vendas do comércio varejista não ampliado no Maranhão, no mês de setembro, registrou um recuo de 5,9%, o maior dentre todas as 27 Unidades da Federação (UFs), segundo Pesquisa Mensal de Comércio (PMC), divulgada nesta quarta-feira (11) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).  O fenômeno ocorre após quatro meses consecutivos de aumento nessa base de comparação temporal, sendo que, em maio, o avanço foi de 29,7% (veja a pesquisa na íntegra aqui).

Os maiores avanços foram obtidos Pelo Piauí (5,7%) e São Paulo (2,1%). Olhando o comportamento do comércio sob o anglo do ampliado, houve, também, recuo no volume de vendas nessa base de comparação no tempo (-3,9%). 

Na comparação com setembro de 2019, houve um avanço de 21,6% no volume de vendas no Maranhão, segunda maior taxa do país, superada apenas pela do Piauí (23,9%). Mesmo com a queda de setembro comparado com mês de agosto (-5,9%), o comércio varejista não ampliado do Maranhão em 2020 ainda tem números melhores do que os do ano de 2019. O mesmo vale para o comércio varejista ampliado, que mesmo com recuo de 3,9% na comparação com agosto, em relação a setembro de 2019, houve ampliação na casa dos 23,4%.

Comparação – Na base comparativa no ano, isto é, o volume de vendas de janeiro a setembro de 2020 em relação ao mesmo período de 2019, o Maranhão apresentou uma taxa positiva nas vendas do comércio varejista não ampliado de 5,7%, sendo superado apenas pelo Pará (7,2%).

Em onze unidades da Federação, houve volume de vendas negativo, sendo os maiores detectados na Bahia (-6,2%) e no Ceará (-9,3%). No caso do comércio varejista ampliado, o volume de vendas até o momento é superior ao de 2019, na ordem de 2,6%, enquanto no Brasil, esse índice temporal foi negativo (-3,6%).

Nessa base de comparação, o Maranhão teve a quinta melhor posição dentre as 27 UFs, sendo superado por Tocantins (7,3%), Pará (6,0%), Amazonas (6,0%) e Roraima (3,0%).

Compartilhe
Editor chefe da Revista e do site do Maranhão Hoje. Sócio-proprietário da Class Mídia – Marketing e Comunicação