Rei emérito da Espanha Juan Carlos faz “vaquinha” para pagar dívidas com Tesouro Espanhol

0
132

Amigos emprestaram dinheiro emprestaram dinheiro ao monarca 

O rei emérito Juan Carlos de España, radicado desde agosto en Abu Dhab, nos Emirados Árabes Unidos, e alvo de varias investigações judiciais, decidiu recorrer a uma “vaquinha” entre amigos empresários e aristocratas para juntar cerca de  4,4 milhões de euros para pagar dívidas com o Tesouro Espanhol. É o que afirmam os jornais El País e El Mundo, além da rede Ser.

De acordo com esses veículos, trata-se de uma série de empréstimos de uma dezena de amigos do ex-monarca, e que, mesmo, alguns desses entendimentos foram assinados antes de um notário público para evitar eventuais problemas futuros.

A cobrança de 4.395.901,96 euros, iniciada em janeiro, inicialmente incluía 32 nomes, de acordo com os jornais, mas esse número foi finalmente reduzido para uma dúzia de pessoas, porque o restante não completou a papelada a tempo.

Cada empréstimo, de contribuição diferente de acordo com cada benfeitor, inclui uma taxa de juros (que pode ser de 0%) e um prazo de reembolso.

Este último ponto, enfatiza El País, é problemático porque Juan Carlos I tem 83 anos e não pode pedir um empréstimo de longo prazo, a menos que a dívida caia sobre seus herdeiros quando ele morrer.

Na sexta-feira, o advogado do rei emérito anunciou o pagamento de cerca de 4,4 milhões de euros à tesouraria, montante que, segundo a imprensa, visa regularizar a sua situação após benefícios não declarados, como viagens, incluindo voos privados a jato pagos por uma fundação sediada em Liechtenstein que pertence a um primo distante.

Ao chegar ao trono quando Juan Carlos abdicou em 2014, Felipe VI marcou um distanciamento com o pai a tal ponto que em março de 2020 renunciou à sua herança e retirou o seu abono anual de cerca de 200.000 euros.

Em dezembro, pagou cerca de 680 mil euros em um caso relacionado a uma investigação anticorrupção ligada ao uso de cartões de crédito para contas em nome de um empresário mexicano e um coronel da Força Aérea Espanhola.

“Vou expressar de forma contundente o mesmo sentimento que a maioria dos cidadãos espanhóis tem, que é de rejeição; sinto a mesma rejeição desses comportamentos rudes que estamos conhecendo na mídia”, disse Sánchez em um conferência de imprensa.

Juan Carlos foi para o exílio em Abu Dhabi em agosto passado, quando as suspeitas sobre a origem opaca de sua fortuna se multiplicaram. O rei emérito é objeto de três investigações no total.

Revelações sobre a vida amorosa e suntuosa do chefe de estado espanhol entre 1975 e 2014, somadas à condenação de seu genro por corrupção em 2018, erodiram a imagem da monarquia espanhola.

(Com informações da Télam)

Compartilhe
Aquiles Emir
Editor chefe da Revista e do site do Maranhão Hoje. Sócio-proprietário da Class Mídia – Marketing e Comunicação