Roseana Sarney provoca troca de insultos entre deputados após confirmar sua pré-candidatura

0
1271

AQUILES EMIR

Os deputadoS Edilázio Júnior (PSD), Bira do Pindaré (PSB) e Marco Aurélio (PCdoB) protagonizaram um debate acalorado na Assembleia Legislativa nesta terça-feira (22), motivados pela defesa e acusações à ex-governadora Roseana Sarney (MDB), que nesta segunda-feira (21), desmentiu os boatos de que estaria desistindo de concorrer ao Governo do Estado E garantiU que é pré-candidata. Tudo começou quando Edilázio foi à tribuna repercutir o anúncio de Roseana e foi duramente criticado por Marco Aurélio e em seguida por Bira do Pindaré.

Segundo Edilázio, “nós, que temos uma convivência estreita com a ex-governadora, sempre soubemos que ela é pré-candidata. Nunca ninguém ouviu ela dizer que havia desistido de concorrer nas eleições de outubro, porém é o grande pesadelo do governador Flávio Dino, que começou a usar aliados que têm contracheques no Palácio dos Leões para usar essa fofoca”, disse, para em seguida Marco Aurélio ir também à tribuna criticar a ex-governadora, principalmente seu plano de educação.

Em resposta, Edilázio lembrou que é incoerência o governo atual criticar a política educacional de Roseana e ter como aliados dois ex-secretários de Educação, Gastão Vieira (Pros) e Pedro Fernandes (PTB).

Bira do Pindaré atacou o discurso de Edilázio Júnior, que defendeu Roseana

Ataques – Bira do Pindaré tomou as dores de Marco Aurélio e disse que “o genro da desembargadora não tem moral e todo mundo conhece os métodos que ele usa para conseguir o mandato que tem. Se elege na caneta da juíza”, afirmou, referindo-se ao fato de Edilázio ser casado com uma filha da desembargadora Nelma Sarney.

Além de se defender e garantir que vai ter mais votos que Bira na eleição deste ano (ambos disputam cadeiras na Câmara Federal), Edilázio rebateu o discurso do socialista que destacou a criação do Iema como uma mostra da política educacional de Flávio Dino. “Se dependesse do deputado Bira, não existia nenhuma escola, porque ele votou contra o empréstimo do BNDES, que está construindo os Iemas, que construiu as escolas em tempo integral”, numa menção ao fato do adversário ter votado contra o empréstimo solicitado na gestão passada, cujos recursos estão sendo utilizados pela atual.

Ainda de acordo com Edilázio, o desastre do governo Flávio Dino está retratado nos números do IBGE, que atesta no governo ter aumentado em 312 mil o número de miseráveis no Maranhão e em 48% em São Luís.

Ainda como parte dos seus ataques, Edilázio disse que tem moral para criticar. “Nunca fui processado e nem tive contas rejeitadas. E não tive que mudar de partido para aprovarem minhas contas no TCU. Terceiro: todas as viagens internacionais que já fiz foram do meu bolso. Nunca viajei para Nova York com dinheiro público”, finalizou.

Compartilhe
Aquiles Emir
Editor chefe da Revista e do site do Maranhão Hoje. Sócio-proprietário da Class Mídia – Marketing e Comunicação