Roupa é a principal opção de presentes para as festas de fim de ano em São Luís

40

Calçados e bolsas fecham lista dos três itens mais citados

No topo das preferências por três anos consecutivos, o ludovicense vai apostar mais uma vez em roupas e acessórios para presentear no Natal 2022, segundo Pesquisa de Intenção de Consumo apurada pela Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Maranhão (Fecomércio-MA). De acordo com o levantamento, 58,7% pretendem agradar com estes itens considerados essenciais no dia a dia. Os brinquedos que também figuram entre os preferidos para agradar no dia 25 de dezembro devem ser a escolha de 39,5%, permanecendo como a segunda principal escolha por dois anos seguidos.

Em 2022, os calçados e bolsas fecham a lista dos três itens mais citados pelos consumidores para presentear com 16,6%, tirando do ranking os artigos de perfumaria e cosméticos, que na pesquisa de 2021 eram a preferência de 22,3% do público. Atualmente na quarta posição com 13,7%, estes produtos podem ter sido desbancados do ‘pódio’ pela alta dos seus preços, uma vez que os itens desta natureza têm encarecido ao longo de 2022 – em média a 13% – em razão do aumento do custo de produção dos artigos de higiene pessoal.

Outro item de primeira necessidade que está mais bem posicionado é a Cesta Natalina, saindo de 5,5% em 2021 para 6,7%, um avanço de +21,8% este ano. Também inclusos nesta lista de itens essenciais estão os artigos de Cama, Mesa e Banho, que aparecem pela primeira vez na pesquisa entre as opções com 5,2% das escolhas e já se posicionam melhor no ranking do que outros itens tradicionais como eletroportáteis (4,3%), celulares (3,5%) e livros (2,3%).

Variedade – Pela utilidade ofertada na rotina das famílias e por terem variedades com preços acessíveis, os artigos de Cama, Mesa e Banho foram citados, exclusivamente, como escolhas dos consumidores de menor renda, com maior força por aqueles com margem salarial familiar de até 5 salários-mínimos (22%). Já os consumidores com renda familiar entre 5 e 10 salários-mínimos integram esta preferência com 7,7%.

“A pesquisa mostra que as famílias com menor poder aquisitivo têm buscado presentear seus familiares e amigos com itens de necessidade pessoal, observando que este é um momento oportuno para comprar outros objetos que teriam dificuldade em adquirir normalmente no mês. Isto demonstra o nível do consumo represado destas famílias ao longo do ano, que aproveitam uma data comemorativa como o Natal para adquirir produtos fundamentais no uso cotidiano como as toalhas de banho e roupas de cama” avalia o presidente da Fecomércio-MA, Maurício Feijó.

Para o público com renda superior a 10 salários-mínimos que não informou ter interesse nos artigos de casa acima, suas preferências principais se dividem entre vestuário (88,4%) e perfumes (58,2%). Por outro lado, estes consumidores devem comprar mais fortemente itens de maior valor agregado como Joias e Relógios (30,2%) e Smartfones e Tablets (11,6%).

Estas famílias também têm dado um destaque particular para as Cestas Natalinas (34,9%) como forma de presentear. Isto pode despontar para um aumento do consumo de artigos natalinos mais sofisticados, nas cestas que são adquiridas em empórios ou lojas especializadas, por exemplo.

Motivação – Diante do cenário de alta dos preços, as promoções ainda são o principal motivo que levam os consumidores de São Luís a entrarem nas lojas, com 36,6%. A renda deteriorada em decorrência do processo inflacionário que o país vem passando nos últimos anos faz com que o público veja nas liquidações uma forma de presentear mais pessoas, gastando menos ou aquilo que cabe no seu bolso.

Nesta mesma linha, os preços praticados são o segundo principal motivo a fazer o consumidor ir às compras, sendo apontado por 26% do total de entrevistados. Assim como nas promoções, este fator deve incentivar as pessoas a ficarem de olho nos valores fixados pelo mercado no período natalino, em especial para aqueles itens de desejo neste fim ano.

A qualidade dos produtos aparece como a preferência de 19,8% do público neste ano, um comportamento que é levado em consideração principalmente por quem tem maior margem financeira para presentear mais neste Natal. Empatado com a qualidade dos produtos, a disposição das vitrines também é um forte atrativo que influencia na hora da compra, abarcando a mesma fatia de 19,8%, seguida da variedade de produtos nas lojas que somam 12% das preferências.

DEIXE UMA RESPOSTA

Digite seu comentário!
Digite seu nome aqui