São Luís entra na contramão e registra em março inflação de 0,37%, bem acima da média nacional

0
373

Após iniciar 2020 com uma deflação (- 0,19%) em janeiro, em março, pelo segundo mês consecutivo, o Índice de Preço ao Consumidor Amplo (IPCA) de São Luís apresentou alta de preços. A inflação da capital maranhense, mês passado, foi de 0,37%, bem acima do índice nacional, que foi de 0,07%, mostrando uma aceleração de preços em relação ao mês anterior, que teve inflação de 0,18%.

Dentre as 16 regiões de pesquisa do Sistema Nacional de Índices de Preços ao Consumidor (SNIPC), São Luís teve a 4ª maior inflação do mês de março, medida pelo IPCA do IBGE, ficando acima da média Brasil que foi de 0,07%.  

Período São Luís Brasil
Março 2020 0,37% 0,07%
Fevereiro 2020 0,18% 0,25%
Março 2019 1,36% 0,75%
Acumulado no ano 0,36% 0,53%
Acumulado 12 Meses 2,72% 3,30%

 

Dentre os nove grupos de despesa investigados pelo IBGE, em cinco foram detectados avanço de preços em relação ao mês anterior. Os maiores foram observados nos grupos alimentação e bebidas (1,45%) e educação (1,38%). Habitação (0,34%) e transporte (0,16%) tiveram impacto na formatação do IPCA de março.

No grupo alimentação e bebidas, que foi responsável pelo maior impacto no comportamento do índice geral de preços, impacto de 0,3354 pontos percentuais (p.p.) no IPCA, arroz (2,56%), cebola (18,23%), contrafilé (3,47%), costela de porco (4,56%) e tomate (4,49%) tiveram forte influência no IPCA de março.

Mesmo educação sendo o segundo grupo de despesa familiar com maior variação de preço em março, muito em função de aumentos geralmente comuns no início do ano, como nas matrículas/mensalidades dos cursos do ensino fundamental (3,11%) e ensino pré-escolar (3,6%), observa-se que ônibus urbano (4,52%), pertencente ao grupo de despesa transporte, foi o subitem de maior impacto na inflação de São Luís, com 0,0638 p.p., pois ainda trouxe para esse mês de março o aumento de tarifa ocorrido no meado do mês de fevereiro, que foi de 8,8%. Nesse grupo de despesa, destacaram-se ainda aumento de preços em transporte por aplicativo (3,47%)  e conserto de automóvel (0,80%).

Energia elétrica residencial, aumento de preço na ordem de 0,64%, e gás de cozinha, elevação de 0,51% no botijão, ambos subitens do grupo habitação, e também de grande peso no orçamento das famílias, tiveram forte impacto: 0,0374 p.p. e 0,0110 p.p. respecitivamente.

O grupo de despesa que tem maior acumulação de aumento de preço no ano em São Luís, período acumulado de janeiro a março, é educação: 4,08%. Em segundo lugar, está alimentação/bebidas, 2,92%. Os grupos de despesa que tiveram deflação no mês de março em São Luís foram: comunicação (-0,82%), vestuário (- 0,77%), artigos de residência (- 0,22%) e saúde e cuidados pessoais (- 0,15%).

INPC varia – O Índice Nacional de Preço ao Consumidor (INPC), pelo segundo mês consecutivo, teve aceleração de preços em São Luís. Em março, apresentou aumento de 0,39%. Em fevereiro, foi de 0,32% e em janeiro, -0,28%. O acumulado no ano está na casa de 0,43%, abaixo do INPC Brasil, que tem acumulado no ano de 2020, janeiro a março, uma inflação de 0,54%. Dentre as 16 regiões pesquisadas pelo IBGE, o INPC de São Luís teve a 5ª maior variação positiva de preços.

Quando o grupo de alimentação e bebidas apresenta comportamento de destaque na elevação de preços, há uma tendência de o INPC ser maior que o IPCA, já que o peso desse grupo de despesa no orçamento familiar é maior no primeiro índice que no segundo.

O INPC mede uma cesta de bens e serviços para famílias que auferem de um a cinco salários mínimos, sendo o chefe assalariado. Por isso, na média geral, subitens menos sofisticados e mais essenciais têm importância vital na mensuração dos preços nesse índice de preços. Muitos desses subitens acabam, portanto, tendo um peso maior e qualquer variação nos preços, ou para cima ou para baixo, impacta o INPC.

(Com informações do IBGE)

Compartilhe
Editor chefe da Revista e do site do Maranhão Hoje. Sócio-proprietário da Class Mídia – Marketing e Comunicação