Secretaria de Agricultura e Sebrae promovem palestra sobre o Programa AgroNordeste

29

Encontro foi oportunidade de compartilhar experiências

A Secretaria de Estado da Agricultura e Pecuária (Sagrima) promoveu esta semana uma palestra de apresentação do Programa AgroNordeste, ministrada pelo Serviço de Apoio às Micro e Pequenas Empresas do Maranhão (Sebrae-MA), destinada ao corpo técnico e convidados ligados ao setor agropecuário do estado.

O evento ocorreu no auditório da Sagrima e, entre os presentes, o secretário de Estado da Agricultura e Pecuária, José Antônio Heluy; o presidente do Conselho Deliberativo do Sebrae-MA, Celso Gonçalo, e o vice-reitor da Universidade Estadual do Maranhão (Uema), Paulo Catunda.

“O AgroNordeste é um programa federal voltado para pequenos e médios produtores que já comercializam seus produtos, mas ainda encontram dificuldades para expandir o negócio. Um dos focos do governador Carlos Brandão é fortalecer as cadeias produtivas por meio do empreendedorismo, por isto essa parceria é tão importante para nós”, afirmou o secretário da Sagrima, José Antônio Heluy.

Para o presidente do Sebrae-MA, Celso Gonçalo, o encontro foi uma oportunidade de compartilhar experiências e detalhar as diretrizes do AgroNordeste ao corpo técnico que representa o governo do Estado.

“Precisamos caminhar mais fortemente na direção da formalização do que é produzido no Maranhão e agregar o merecido valor a esses produtos. Agradeço ao secretário Heluy pelo espaço e por estar sempre presente em todas as pautas que envolvem o Sistema S. São provas de que a nossa parceria com o governo do Maranhão está firmada”, reiterou Gonçalo.

Conquistas e realizações – A palestra foi conduzida pela coordenadora de Encadeamento Produtivo do Sebrae/MA, Larissa Leite, que destacou as principais conquistas e realizações do AgroNordeste, além de detalhar os resultados esperados com o crescimento da iniciativa no Maranhão.

“No eixo de mercados, por exemplo, foram 33 ações realizadas no primeiro momento, entre consultorias, missões técnicas, participação em eventos e apoio às feiras e mercados públicos em 16 municípios. O nosso desafio é fazer dar certo para que, assim, o programa chegue nesses lugares e dê renda aos produtores”, enfatizou.

Entre os resultados esperados, estão o aumento da lucratividade total dos grupos atendidos e da participação dos agricultores familiares nas compras governamentais do Estado; capacitar micro e pequenas empresas para ter produtos, serviços ou processos novos ou aperfeiçoados, bem como elevar a produtividade e eficiência dos agricultores familiares.

Avaliação positiva – O agrônomo e gestor do Projeto Salangô da Sagrima, Francisco Torres, esteve presente na palestra e elogiou a iniciativa. “Foi uma esclarecedora apresentação que retratou muito bem a atuação do empreendedorismo no agronegócio maranhense. São ações que precisam de toda a atenção para que cheguem em tempo hábil e tragam o desenvolvimento esperado”, afirmou.

Já o chefe do Departamento de Políticas Agropecuárias da Sagrima, Leonílson Araújo, ressaltou que a discussão é fundamental para o crescimento dos pequenos e médios produtores do estado. “Com toda a tecnologia e assistência técnica oferecida pelo Programa AgroNordeste, certamente terão oportunidade de se tornarem grandes empresários no futuro”, acrescentou.

Assistiram também à palestra: o secretário-adjunto da Sagrima, Nonato Chocolate; o diretor técnico do Sebrae/MA, Mauro Borralho; o gerente da Unidade de Competitividade da entidade, Jaime Coelho; além de representantes da Agência Estadual de Defesa Agropecuária (Aged) e do Sistema Faema/Senar.

Fique por Dentro – Os pequenos produtores rurais atendidos pelo Sebrae no âmbito do Plano Agronordeste apresentaram ganhos de 16,5% na produtividade e aumento de 16% de renda de janeiro a setembro de 2022, quando comparado a igual período do ano anterior. Os resultados positivos são fruto de mais de 41 mil atendimentos a 18 mil produtores, nos nove estados do Nordeste, com abrangência em 558 municípios.

O AgroNordeste busca principalmente o desenvolvimento sustentável das pequenas propriedades rurais, com ações que vão desde a inovação, melhoramento genético na criação de animais, intervenções em processos produtivos para aumento da produtividade na parte de leite, carne, hortaliças, mel, dentre outros produtos. Nas agroindústrias, por exemplo, há ações para a produção de queijos diferenciados.

DEIXE UMA RESPOSTA

Digite seu comentário!
Digite seu nome aqui