0
180

 

Ao concluirmos a maior Agrobalsas de todos os tempos, manifestamos nossas congratulações com todos os que fizeram possível a realização deste grandioso evento que é expressão da força, pujança e potencial do Agro nacional.

A Agrobalsas 2022, transcorrida entre 16 e 20 de maio, teve como lema a conectividade cerrado, o grande celeiro. Foi, portanto, um grande encontro realizado a luz de uma ideia do presente – o grande celeiro do cerrado -, que inspira uma ideia de futuro: um novo salto tecnológico que se inicia com a Quarta Revolução Industrial, que trará a Agricultura 4.0, possibilitando assim, um novo enorme salto de produtividade na produção de alimentos que permitirá a superação da insegurança alimentar em todo o mundo.

O Brasil já dá uma enorme contribuição à alimentação da população mundial. Pesquisas apontam que mais de 800 milhões de pessoas que são alimentadas tendo como base a produção brasileira. E nossa capacidade de expandir esta produção de forma sustentável é expressiva, tendo em vista utilizarmos uma parte diminuta do território brasileiro para o plantio e a pecuária, sobretudo se comparada a outros grandes países produtores agrícolas. Com o salto de produtividade possibilitado pela conectividade, aliada a expansão para novas áreas de plantio em harmonia com a natureza, o Brasil terá condições potencial
para atender a grande parte do aumento da demanda por alimentos que o mundo viverá nas próximas décadas.

Essa enorme perspectiva de futuro, contudo, contrasta com as agruras do presente.
Após a grave crise da pandemia, a qual, todavia não foi vencida por completo, vimos eclodir no início deste ano uma guerra de grandes proporções entre a Rússia e a OTAN na Ucrânia. Estes dois eventos traumáticos – pandemia e guerra -, geraram uma situação nova no mundo, na qual, conforme debatido na mesa de abertura desta Agrobalsas, teve como consequência um enorme aumento de pessoas em situação de insegurança alimentar no mundo – na casa de dezenas de milhões, segundo a FAO -, ao tempo em que recrudescem atitudes protecionistas de países, quer restringindo as exportações de alimentos e fertilizantes – causando enorme inflação mundial no preço dos alimentos –, quer impondo novas barreiras protecionistas – na maioria dos casos, utilizando-se de falsos pretextos -, como por exemplo a que se vê atualmente em medidas anunciadas pela Europa.

Associado a estes eventos pandêmicos e de guerra, estão a reorganização das cadeias globais de suprimentos, as quais, explicitam a grave vulnerabilidade derivada da dependência brasileira na importação de fertilizantes, a qual urge o país enfrentar por meio de uma política industrial robusta e urgente.

Em seu conjunto, o mundo assiste ao desenvolvimento de uma Geopolítica do Agro, no qual a produção de alimentos passa a ser um fator de poder nas relações entre as Nações.
Contudo, o Brasil como potência agrícola, contribui a nossa condição de potência ambiental. Nenhum dos grandes produtores agrícolas mundiais impõe a si mesmo restrições que nós brasileiros realizamos em prol do meio ambiente, como atesta nosso Código Florestal. A proposta de uma Reserva Legal foi pela primeira vez proposta pelo Patriarca José Bonifácio de Andrada e Silva, há 200 anos por ocasião de nossa Independência, cujo Bicentenário celebraremos em setembro próximo.

A Agrobalsas realiza-se na região do MATOPIBA, localizado na interseção dos Estados do Maranhão, Tocantins, Piauí e Bahia. Estamos convencidos que esta é a nova grande fronteira de expansão do Agro brasileiro. Da “porteira para dentro” isso já é uma realidade.
Porém, “da porteira para fora” inúmeros obstáculos e desafios se apresentam. O primeiro, como nos
referimos acima, é o geopolítico. Neste, cabe aos brasileiros desconstruir esta ofensiva de propaganda
dos concorrentes, mostrando a verdade ao mundo.
Nossa região, através do trabalho de décadas da FAPCEN, ao chegar a cifra próxima a um milhão de
toneladas de soja certificadas, dá um exemplo de que estes falsos pretextos podem ser contrapostos com
a demonstração que nossa condição de potência do Agro não se afirma em detrimento do meio ambiente.
Precisamos expandir esta experiência, assim como práticas como a ILFP e o Plano ABC para que não nos
acusem, falsamente, do contrário do que efetivamente somos.
Aqui tampouco há contradição entre a moderna agricultura empresarial voltada para a exportação e a
agricultura familiar que abastece o mercado interno e é responsável pela segurança alimentar dos
brasileiros. A Agrobalsas valoriza e incentiva a agricultura familiar, ciente de seu papel para a paz social e
a segurança nacional.
Localizada numa região geográfica diferenciada, as adjacências de Balsas – o Sul do Maranhão, o sul do
Piauí e o extremo norte de Tocantins -, poderão ter no diferencial logístico um extraordinário ganho de
competitividade. Assim, esta Agrobalsas conclama a solução de grandes problemas logísticos, tais quais:
– a recuperação plena e definitiva da Rodovia MA-006, seja através da federalização ou de um regime de
concessão, assim como a efetiva construção do ANEL DA SOJA;
– a construção efetiva da Ferrovia Balsas – Porto Franco, que permitirá acessar, pela Ferrovia Norte-Sul,
os Portos de São Luís;
– a efetiva solução da Hidrovia do Parnaíba, a qual permitirá acessar, a partir de Teresina/Timon, a Ferrovia
São Luís-Teresina, ou por meio de um Canal, nova via fluvial;
– por fim, novos investimentos no Porto do Itaqui, que permita acabar com as filas que oneram o produtor,
por meio da construção de mais berços, aumentos da capacidade de armazenamento e construção da
Pêra ferroviária, ajustando sua capacidade de escoamento, assim como, incentivando a construção de
novos Portos na Ilha do Maranhão.
Na 9° Mesa Redonda: Conectividade Cerrado, Segurança e a Minimização de Riscos Agropecuários”.
Reivindicam a criação da Delegacia Especializada de Combate a crimes Rurais, em Balsas. Uma iniciativa
do Tribunal de Justiça do Maranhão e Corregedoria Geral da Justiça, solicitada pelo Juiz de Direito Titular
da 4° Vara Criminal de Balsas, Dr. Douglas Lima da Guia.
Foi reivindicado ao governador do Estado disponibilize um braço do CTA para ficar sediado em balsas e
com isso pudesse atender o Sul do Maranhão.
Ao concluir a Agrobalsas 2022, expressamos estas questões relevantes ao Agro brasileiro e de nossa
região, as quais, buscaremos enfrentar com a mesma determinação que permitiu fazer surgir, neste
outrora árido cerrado, uma região de extraordinário vigor no presente e de renovado e amplo potencial
de futuro.

Balsas-MA: 20 de maio de 2022.

Gisela Introvini
Superintendente-FAPCEN

Compartilhe
Editor chefe da Revista e do site do Maranhão Hoje. Sócio-proprietário da Class Mídia – Marketing e Comunicação