Construção civil começa a recuperar oferta de empregos no Maranhão

0
620
Setor de Construção Civil foi o que mais admitiu no Maranhão no mês de setembro, segundo dados do Caged

AQUILES EMIR

Ao longo de 2016, em todos os levantamentos do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged), o setor da construção civil apareceu com o maior índice de demissões no Maranhão, mas este ano o comércio aparece como aquele em que o número de postos de trabalho encerrados é mais acentuado. De acordo com os números divulgados nesta segunda-feira (17) pelo Ministério do Trabalho e Previdência, no mês de junho, o saldo de empregos preservados no estado ficou em 1.531.

Com um registro de 3.326 admissões e 3.584 demissões, o que lhe dá saldo negativo de 258 postos de trabalho encerrados, o comércio teve o pior desempenho, enquanto a construção civil foi o que teve melhor, pois registrou 2.298 contratações e 1.431 dispensas, o que lhe deu um saldo de 867. O setor ainda tem um saldo acumulado no semestre de 1.206 postos desativados, resultado de 10.950 contratações e 12.156 demissões. Nos 12 meses, a construção civil tem um acumulado negativo de 5.648 postos de trabalho desativados, já que as contratações somaram 23.977 e as demissões, 29.625.

Segundo o presidente da Associação dos Dirigentes das Empresas do Mercado Imobiliário (Ademi), Cláudio Calzavara, a explicação é a retomada, ainda que lenta, das atividades por parte das empresas deste segmento. Ele diz que o fato de muitas estarem com seus canteiros de obras paralisados contribui para essa estatística, pois verifica-se não há grande número de contratações, mas também as demissões foram estancadas, até porque muitas estão operando já no limite das demissões. “Não resta menor dúvida de que esses números do Caged apontam para uma recuperação do setor e tudo indica que a tendência vai ser melhorar mais ainda, com a estabilidade econômica”.

Comércio – Já o presidente da Câmara dos Dirigentes Lojistas de São Luís (CDL), Fábio Ribeiro diz que no setor comercial as vendas ainda não se recuperaram no índice desejado, e muitas lojas tiveram de enxugar seu quadro pessoas. Ele vê ainda nesses números rescaldos das demissões dos trabalhadores temporários de fim de ano. A exemplo de Calzavara, Fábio Ribeiro também manifesta otimismo, principalmente em alguns segmentos, como de material de construção, veículos etc, que estão atraindo novamente os clientes para o interior de suas lojas.

De acordo com os números do Caged, no mês passado foram admitidas 12.271 pessoas no Maranhão e as demissões somaram 10.740. Apesar do bom desempenho de junho, o ano ainda tem um saldo negativo de 4.233 postos de trabalho desativados, resultado de 70.348 admissões contra 74.581 demissões. Sobre o desempenho dos últimos 12 meses, o saldo negativo é de 9.252, já que neste período foram admitidos 146.491 trabalhadores e 155.743 foram dispensados.

Veja abaixo o desempenho por setor em junho:

  • Extrativa Mineral – 1 
  • Indústria de Transformação – 118 
  • Serviços Industriais de Utilidade Pública – SIUP  – 22 
  • Construção Civil – 867 
  • Comércio – -258 
  • Serviços – 9 
  • Administração Pública – 3 
  • Agropecuária – 765 
  • Total – 1.531 
Compartilhe
Editor chefe da Revista e do site do Maranhão Hoje. Sócio-proprietário da Class Mídia – Marketing e Comunicação