Setor de Serviço se mantém estável em julho no Maranhão, segundo levantamento do IBGE

0
190
Marcos Santos/USP Imagens Tecnologia da informação

O Maranhão registrou, em julho deste ano,estabilidade no índice de volume de serviços, que ficou em 0,0%, segundo dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Isso se deu depois de dois meses de aumento no volume de serviços na base de comparação temporal mês/mês imediatamente anterior: maio (1,8%) e junho (6,0%).

Os números dos três últimos meses ainda não foram suficientes para reverter o tombo ocorrido em abril, de -14,0%, que foi o maior na série histórica iniciada em fevereiro de 2011. Das 27 Unidades da Federação (UFs), em seis delas houve queda no volume de serviços, sendo que a maior retração foi detectada no Ceará (-2,5%). As duas melhores performances foram estimadas para Alagoas (9,5%) e Roraima (8,2%).

Na comparação a julho do ano anterior, foi detectada uma queda de 9,4%, valendo lembrar que no mês anterior, junho/2020, o recuo tinha sido de 7,4%. Nessa base de comparação, mês/mês igual do ano anterior, apenas no mês de março houve aumento no volume de serviços, 3,8%. Em março de 2019, tanto na comparação mês/mês imediatamente anterior e mês/mês igual ao ano anterior, houve queda no volume de serviços, o que torna a comparação de março de 2020 com esse mês do ano anterior de fácil entendimento ao gerar um número positivo.

Apenas duas UFs, em julho de 2020, tiveram alta no volume de serviços nessa base de comparação mês/mês igual do anterior, a saber: Rondônia (+5,2%) e Mato Grosso (0,8%). As maiores quedas foram observadas na Bahia (-26,4%) e no Rio Grande do Norte (-28,4%).

Acumulado no ano de 2020, mês a mês, Brasil e Maranhão
MêsBrasilMaranhão
abril 2020-4,5-3,7
maio 2020-7,6-6,6
junho 2020-8,4-6,7
julho 2020-8,9-7,1

As constantes ocorrências negativas no Maranhão no cotejamento mês/mês igual ao ano anterior implicaram um acumulado negativo no ano de 2020 em relação ao ano de 2019 na ordem de 7,1% no volume do setor de serviços. Fazendo um corte temporal de abril/2020 para julho/2020, nota-se um crescendo negativo do volume de serviços ocorrido no ano, que vale tanto para Brasil quanto para Maranhão, conforme tabela abaixo.

Das 27 UFs, a única que apresentou uma taxa positiva no ano de 2020, fechado em julho, na comparação com mesmo período de 2019, foi Rondônia: 3,9%. As seis maiores retrações no volume de serviços no ano foram observadas em UFs localizadas na região Nordeste, sendo que as duas maiores quedas foram observadas na Bahia (-18,0%) e em Alagoas (-19,0%).

Na base temporal de comparação que leva em consideração os últimos 12 meses (agosto de 2019 a julho de 2020 cotejado com agosto de 2018 a julho de 2019), o Maranhão apresentou um volume negativo de serviços de -3,0%. Até abril de 2020, na base de comparação temporal em que se leva em conta os últimos 12 meses, a taxa do volume de serviços, no Maranhão, resistia com número positivo. Desde janeiro de 2019 até abril de 2020, as taxas acumuladas a cada 12 meses eram positivas, superando um longo período de taxas negativas acumuladas a cada 12 meses que perdurou de março de 2015 a dezembro de 2018.

Esse índice de volume de serviços nessa base de comparação temporal, últimos 12 meses, no Maranhão, -3,0%, ainda se encontra num patamar de menor queda do que no Brasil, cujo indicador temporal ficou na casa de -4,5%. Nessa base de comparação temporal, 25 UFs, no mês de julho/2020, têm acumulado retração no volume de serviços. Os maiores recuos na base de comparação dos últimos 12 meses foram detectados no PI (-12,4%) e em AL (-14,0%). As únicas UFs com números positivos até o momento nessa base de comparação temporal (agosto de 2019 a julho de 2020 comparado com agosto de 2018 a junho de 2019), foram: AM (0,6%) e RO (0,5%).  

Compartilhe
Editor chefe da Revista e do site do Maranhão Hoje. Sócio-proprietário da Class Mídia – Marketing e Comunicação