Seu cachorro come o próprio cocô? Saiba o que pode estar ocorrendk e como evitar problemas

28

Comportamento pode estar associado a fatores biológicos ou comportamentais

As atitudes dos caninos muitas vezes são enigmas para os seus tutores. Os animais podem ter hábitos e manias bem diferentes e até engraçadas, boa parte herdados de seus ancestrais e da evolução da espécie. Mas, definitivamente, ingerir as próprias fezes (hábito chamado de “coprofagia”) não é um comportamento normal, e se o seu amigo de quatro patas está comendo o próprio cocô, isso pode ser um sinal de que há um problema com o seu pet.

Segundo a médica veterinária e coordenadora do curso de Medicina Veterinária da Faculdade Anhanguera, Camila Moraes, os estudos dessa área não chegaram ainda a uma conclusão fechada sobre os motivos de tal comportamento, mas os indícios apontam que ele é mais comum entre as raças pequenas, como Shih-Tzu, Yorkshire, Spitz Alemão, Lhasa-Apso, Hounds e Terriers.

O médico veterinário diagnostica o problema a partir de consulta clínica e investigação do histórico do animal e levando em conta o dia a dia e hábitos do tutor e da casa. Os motivos para o hábito de ingerir as próprias fezes vão desde fatores comportamentais até problemas biológicos e fisiológicos”, explica Camila.

Clique aqui para baixar a imagem.

 

Fatores comportamentais – A docente lista alguns motivos comportamentais e emocionais que podem levar o pet a comer o próprio cocô:

  • Ansiedade, tédio e falta de estímulos e brincadeiras, ou ainda para chamar atenção do dono;
  • Medo de broncas, para esconder as fezes, em casos em que o tutor esfrega o focinho do animal nas fezes, como reforço negativo por ter feito as necessidades em local errado;
  • Em casas em que há mais de um cachorro, o animal dominante pode desenvolver esse comportamento para mostrar quem manda.

Fatores biológicos –Entre os fatores biológicos, a especialista destaca:

  • Dieta restrita ou pobre em nutrientes, o que faz com que o animal ingira as fezes para saciar sua fome e necessidades de calorias do organismo;
  • Problemas no trato intestinal, em que o organismo do animal não consegue absorver todos os nutrientes da comida, e o pet ingere as fezes por instinto para repor as substâncias não absorvidas;
  • Em ambientes em que há mais de um pet, o cachorro dominante pode comer mais do que um segundo ou terceiro animal da casa, o que acaba fazendo com que o cachorro em desvantagem coma o próprio cocô (e até o dos outros cães) para saciar sua fome;
  • Há ainda os cães que, sem explicação biológica, podem se sentir atraídos pelo cheiro, textura e sabor do próprio cocô.

Como resolver? ‘ Para resolver o problema, além de identificar a origem do comportamento, os tutores podem tomar medidas simples como as seguintes:

  • Manter o ambiente limpo e recolher o cocô assim que possível;
  • Oerecer distrações aos pets (caso o motivo seja estresse e tédio);
  • Oferecer comida suficiente e separar os potinhos de ração em cômodos diferentes (quando o cachorro dominante não deixa comida para os demais da casa);
  • Oferecer uma dieta balanceada e rica em minerais;
  • Delimitar o espaço para o animal defecar, pois isso impedirá que o mesmo tenha comportamentos de medo, como quando o tutor “brigar” com ele, após defecar no local errado.

“O hábito de ingerir fezes pode ser muito prejudicial à saúde do animal, por isso o tutor deve estar atento para interromper essa prática”, finaliza a docente.