Turismo fatura R$ 17,3 bilhões em janeiro, impulsionado pelo aumento de preços

3

Valor já é dobro do aumento geral de preços no País

 O faturamento do Turismo cresceu no mês de janeiro. O setor atingiu R$ 17,3 bilhões, resultado 2,4% maior do que o registrado no mesmo período do ano passado. Os números são do levantamento mensal do Conselho de Turismo da Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado de São Paulo (FecomercioSP), com base nos dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).
 
Segundo a Federação, um dos fatores que mais contribuiu para esse crescimento foi a inflação, que atingiu 9,4%, mais que o dobro do aumento geral de preços no Brasil, o que resultou no encarecimento, principalmente, do transporte aéreo e dos serviços de hospedagem. Dos oito segmentos analisados na pesquisa, seis apontaram saldo positivo, com destaque para o grupo de locação de meios de transportes — que reúne, em especial, as agências de veículos sem motorista —, ao crescer 16,5% em relação ao mesmo período em 2023, somando um faturamento de R$ 2,2 bilhões [tabela 1].

FATURAMENTO DO TURISMO NACIONAL POR SERVIÇOS PRESTADOS EM JANEIRO DE 2024

Puxados pela inflação, os transportes aéreos e o alojamento foram responsáveis pela maior parte do faturamento do setor, R$ 4,7 bilhões e 2,44 bilhões, respectivamente [tabela 2]. As atividades culturais e o transporte aquaviário não somaram faturamentos tão expressivos, mas cresceram 5% e 5,5%, respectivamente. Apesar desse aumento nos preços, o período de alta temporada ajudou os setores a registrarem bons resultados neste início de ano.

INFLAÇÃO DO TURISMO EM FEVEREIRO DE 2024

 
Por outro lado, a demanda continua caindo para o transporte rodoviário de passageiros. Pelo nono mês consecutivo, o setor registrou queda, mesmo com o menor impacto da inflação. Em janeiro, registrou pior resultado entre os demais setores, ao cair 13,7%. As agências de viagens também sentiram uma queda, mas menos acentuada, (-0,7%).
 
Em geral, a FecomercioSP esperava um aumento moderado, visto que o Turismo cresceu impressionantes 22,7% em 2023, ano de recuperação. Ainda assim, está crescendo ainda mais em 2024. O bom resultado mostra a grande força do setor, que deve continuar apresentando saldo positivo ao longo do ano.
 
Turismo regional – Na análise por região, 20 das 27 unidades federativas registraram crescimento do faturamento em janeiro, na comparação anual. Dentre elas, as que apresentaram as maiores variações do mês foram, pela ordem:

  • Acre (22,7%)
  • Rondônia (8,9%)
  • Amazonas (8,7%)
  • Distrito Federal (7,2%).

Já as que que mais faturaram foram São Paulo (R$ 4,41 bilhões), Rio de Janeiro (R$ 1,25 bilhões), Minas Gerais (R$ 1,17 bilhão) e Santa Catarina (R$ 868 milhões).
 
Apesar de o Estado de São Paulo liderar a lista dos maiores faturamentos, vem registrando variação negativa desde julho de 2023, impulsionado pela queda na demanda no transporte rodoviário. Também apontaram resultados negativos: Rio Grande do Norte, Goiás, Mato Grosso do Sul, Tocantins, Bahia e Rio Grande do Sul.

 Nota metodológicaO estudo se baseia nas informações da Pesquisa Anual de Serviços, mediante dados atualizados com as variações da Pesquisa Mensal de Serviços, ambas do IBGE. Os valores são corrigidos mensalmente pelo Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), e foram escolhidas as atividades que têm relação total ou parcial com o turismo. Para as que têm relação parcial, foram utilizados dados de emprego ou de entidades específicas para realizar uma aproximação da participação do setor no total.
 
Em relação aos dados regionais, a base continua sendo a PAS, mas foi adotado um procedimento estatístico distinto, de uso da proporcionalidade nacional, para encontrar a receita das atividades nos Estados e, na sequência, uma estimativa setorial para se chegar na receita operacional líquida.

Embora tenham sido feitas estimativas segmentadas, a divulgação ficará restrita ao total, pois o objetivo é obter uma dimensão geral do setor e acompanhar o desempenho mensal. A correção monetária é feita pelo IPCA, e não pelo índice específico, tal como ocorre no volume de serviços, no IBGE.
 
O total do faturamento das UFs não coincide com o total nacional do levantamento da FecomercioSP, por não contabilizar o setor aéreo. Pelo fato de não haver clareza sobre como o instituto trabalha o dado de transporte aéreo de passageiro, optou-se por não usar neste momento. Quando houver uma indicação mais clara, haverá, certamente, uma atualização.
 
Sobre a FecomercioSPReúne líderes empresariais, especialistas e consultores para fomentar o desenvolvimento do empreendedorismo. Em conjunto com o governo, mobiliza-se pela desburocratização e pela modernização, desenvolve soluções, elabora pesquisas e disponibiliza conteúdo prático sobre as questões que impactam a vida do empreendedor. Representa 1,8 milhão de empresários, que respondem por quase 10% do Produto Interno Bruto (PIB) brasileiro e geram em torno de 10 milhões de empregos.

DEIXE UMA RESPOSTA

Digite seu comentário!
Digite seu nome aqui