Uruguai vence Egito com gol no fim do segundo tempo e Marrocos perde com gol contra

0
442

MARCELO BRANDÃO

O Uruguai venceu nesta sexta-feira (15) o Egito com gol do zagueiro Giménez aos 43 minutos do segundo tempo. As equipes se enfrentaram na primeira rodada do Grupo A da Copa do Mundo. O forte ataque uruguaio – com Cavani, do Paris Saint-Germain, e Suárez, do Barcelona – teve poucas oportunidades de gol e não marcou. A grande estrela do time africano, Mohamed Salah, ainda se recupera de uma lesão no ombro e, apesar de ter sua presença em campo especulada na véspera do jogo, assistiu à partida do banco de reservas.

O zero a zero do primeiro tempo foi decepcionante para as duas torcidas. O time sul-americano tomou a iniciativa desde o início da partida, teve mais posse de bola, mas preocupou pouco a defesa egípcia.

O único lance de perigo do Uruguai no primeiro tempo foi aos 23 minutos de jogo. Após cobrança de escanteio, a bola sobrou para Suárez à esquerda da pequena área. Ele emendou para o gol, e a bola estufou a rede pelo lado de fora. Muita gente gritou gol no estádio de Ecaterimburgo. O lance assustou o adversário, que passou a sair mais para o jogo. Mas a defesa uruguaia, comandada pelo experiente Godín, afastava o perigo.

O gol salvador só veio aos 43 minutos. Em cobrança de falta, Sánchez jogou a bola dentro da área e Giménez marcou de cabeça. Festa no campo e muito alívio da torcida uruguaia. Salah, do banco, não escondeu a decepção.

Com a vitória, o Uruguai vai a três pontos, mas fica em segundo lugar no grupo, porque a Rússia tem maior saldo de gols, conquistado ontem na vitória de 5 a 0 contra a Arábia Saldita. O Egito fecha a primeira rodada do grupo A em terceiro lugar.

Irã – No segundo jogo de hoje (15), a seleção iraniana venceu o Marrocos por 1 a 0, com um gol contra nos acréscimos, em São Petersburgo. O Irã jogou na defesa, explorando os contra-ataques durante quase todo o jogo e pouco ameaçou o gol adversário. Marrocos, tecnicamente superior, buscou mais o gol, mas finalizava mal ou esbarrava na defesa iraniana. No final, o famoso ditado “a bola pune” prevaleceu e praticamente enterrou as chances de classificação do time africano, que ainda enfrentará Portugal e Espanha pelo grupo B.

(Agência Brasil com foto de Jason Cairnduff/Reuters)

Compartilhe
Aquiles Emir
Editor chefe da Revista e do site do Maranhão Hoje. Sócio-proprietário da Class Mídia – Marketing e Comunicação