Com baixa frequência de público nos seus jogos, Moto e Sampaio amargam séria crise financeira

0
392

AQUILES EMIR

Apesar de o Sampaio estar numa situação bem mais confortável que o Moto Clube na tabela de classificação da Série C do Campeonato Brasileiro (o primeiro já classificado e o segundo ameaçado de rebaixamento), os dois clubes estão praticamente empatados em situação financeira e ambos deverão fechar o ano no vermelho, caso não consigam receita extra até dezembro.

De acordo com o presidente do Sampaio, deputado Sérgio Frota (PSDB), em entrevista à Rádio Assembleia nesta quinta-feira (31), a sua situação é menos dramática do que a do rival porque ele, no início do ano, “dei uma de doido e pedi um empréstimo de R$ 700 mil para formar um time competitivo” (leia blog Conversa Franca – www.aquilesemir.com.br). Para ele, o grande problema é que os patrocínios e as rendas das partidas não compensam as despesas e com certeza não vão dar volume para quitar esse débito integralmente.

Segundo ranking da CBF, o Sampaio é o quinto time em público na Série C, com uma média de 4.977 torcedores por partida, o que lhe rendeu ao longo da competição, uma receita bruta de R$ 585 mil. Desse volume, ele estima que o clube tenha ficado com pouco mais de R$ 40 mil, já que as despesas de arena são altas.

Outra fonte de receita do clube é o Sócio Torcedor, que dos 3.651 inscritos, apenas 908 estão ativos, o que dá uma renda de cerca de R$ 16,7 mil, o que dá apenas para cobrir o custeio (água, energia, telefone, empregados etc).

Baixa frequência de público gera despesas para os clubes, pois o custo de arena é muito alto

O presidente do Moto, Célio Sérgio, diz que sua situação é mais grave porque está com três meses de atraso na folha de pagamento dos atletas. Ele diz que se houvesse uma média de 8 mil torcedores por partida, a renda cobriria toda a folha, mas de acordo com o ranking da CBF a sua média de público é de 2.516.

Nas 16 partidas disputadas, o clube apurou cerca de R$ 371 mil, mas o líquido foi bem mais que o do Sampaio porque não utiliza toda estrutura do Castelão, apenas os setores 1 e de cadeiras cobertas. Célio também reclama do custo de arena, pois se a renda for inferior a R$ 30 mil não paga nem as despesas de uma partida. Para fechar o balanço, o Moto terá de recorrer a doações de sócios e outros simpatizantes.

Quanto ao sócio torcedor, diz que tem cerca de 800 ativos que lhe proporcionam uma receita mensal de R$ 10 mil, o suficiente para cobrir as despesas operacionais. Os dois presidentes dizem que só há uma saída para os clubes, o Governo do Estado facilitar a captação de patrocínio pela Lei de Incentivo ao Esporte e à Cultura, o que não se deu este ano.

Veja o ranking de público e renda dos clubes da Série C

CLUBE MÉDIA DE PAGANTES OCUPAÇÃO MÉDIA RENDA BRUTA/R$ TIKET MÉDIO/R$
Remo 9.773 23% 1.864.270 23,00
Fortaleza 9.293 24% 777.069 10,00
Botafogo PB 7.434 37% 1.074.283 18,00
CSA 6.993 39% 953.374  17,00
Sampaio 4.977 13% 585.039 14,00
Joinville 4.019 17% 630.795 19,00
Confiança 4.019 17% 630.795

 

19,00
Botafogo SP 3.125 12% 408.515 16,00
Moto Club 2.516 12% 371.724 18,00
São Bento 1.425 10% 188.765 16,00
Salgueiro 1.359 13%  41.296 3,00
ASA 1.012 10%  79.322 11,00
V. Redonda 785 4% 60.705 9,00
Ypiranga 685 2% 147.160 26,00
Bragantino 534 3%  40.380 9,00
Cuiabá 503 1%  58.770 14,00
Tombense 493 16%  52.690 13,00
Tupi 459 4%  73.127 19,00
Macaé 377 2%  32.020 12,00
Mogi Mirim 150 1%  17.745 14,00

 

DEIXE UMA RESPOSTA

Digite seu comentário!
Digite seu nome aqui