Bolsonaro lembra que antes dele, Doria, Maia e Alcolumbre participaram de um evento público

0
683

Em entrevista concedida na manhã desta segunda-feira (16) ao jornalista José Luiz Datena, no programa 90 Minutos da Rádio Bandeirantes, o presidente Jair Bolsonaro declarou que atribuir a ele a culpa por uma possível disseminação do coronavírus no Brasil beira a politicagem mais rasteira. O presidente rebateu as críticas pela sua participação nos atos pró-governo e contra o Congresso Nacional e o Supremo Tribunal Federal (STF).

O presidente voltou a defender a legitimidade das manifestações e disse que não se arrepende te der descido a rampa do Planalto para abraçar participantes. Ele insistiu que vive ameaçado e para quem o acusa de atitudes golpistas, destacou que golpe é tentar isolar o chefe do Poder Executivo. Segundo ele, o tempo todo falam em impeachment contra ele, até mesmo por um vídeo em grupo de whatsaap.

O presidente disse ainda que uma saída para a crise entre os poderes que começou com o impasse sobre os recursos do Orçamento só será resolvida com um acordo, “mas qualquer saída só será alcançada se o desejo do povo brasileiro for atendido”.

 

Resultado de imagem para rodrigo maia na Oca do Ibirapuera
Evento de lançamento da CNN com mais 1,5 mil pessoas, na Oca do Ibirapuera

Bolsonaro lembrou aos que o criticam por estar neste ato que no dia 09, no Parque Ibirapuera houve um evento na Oca do Ibirapuera, com participação dos presidentes da Câmara (Rodrigo Maia) e do Senado (David Alcolumbre) e governadores, mas ninguém contestou. “Que exemplos essas pessoas estavam dando?”

 

 

Bolsonaro ressaltou que o governo está atento aos impactos econômicos da crise da pandemia do coronavírus e defendeu o trabalho conduzido pela equipe liderada por Paulo Guedes na pasta da Economia, e afirmou que nunca falou que o ministro tem prazo como alguns insinuam.

 

Segundo o presidente, não há previsão por parte do governo sobre o fechamento das fronteiras como forma de conter o avanço do coronavírus, mas adiantou ter determinado um reforço da estrutura com o apoio das Forças Armadas ao Ministério da Saúde.

 

Jair Bolsonaro será submetido a um novo exame nesta terça-feira para confirmar se o presidente foi ou não contaminado pelo Covid-19.

Ele chegou a tossir em um momento da entrevista e foi questionado por José Luiz Datena, mas disse que era problema de refluxo. “Se eu tiver com o vírus aqui eu não estou sentindo nada”, disse ele, acrescentando que continua fazendo suas caminhadas, inclusiva recebe recomendação médica para fazê-las.

 

No total, 12 integrantes da equipe de acompanhou Jair Bolsonaro nos Estados Unidos contraíram o coronavírus, incluindo parlamentares. Ouça a entrevista aqui.

Compartilhe
Editor chefe da Revista e do site do Maranhão Hoje. Sócio-proprietário da Class Mídia – Marketing e Comunicação