Ex-presidente da Nissan Carlos Ghosn foge do Japão para o Líbano

0
456

O ex-presidente do conselho de administração da Nissan Carlos Ghosn divulgou nesta terça-feira (31) um comunicado, por meio de seu assessor de imprensa, em Nova York, que deixou o Japão, onde estava em prisão domiciliar, e está no Líbano.

Na declaração, Ghosn crítica a Justiça japonesa, diz que não fugiu, mas que escapou “da injustiça e da perseguição política”.

“Eu estou agora no Líbano e não serei mais refém do manipulado sistema de justiça japonês, onde a culpa é presumida, a discriminação é desenfreada e os direitos humanos são negados, em flagrante desrespeito às obrigações legais do Japão sob o direito internacional e os tratados que deve obedecer. Eu não fugi da justiça, eu escapei da injustiça e da perseguição política. Eu posso agora finalmente me comunicar livremente com a imprensa e pretendo começar na semana que vem.”

Acusado de fraudes financeiras no Japão, o empresário franco-brasileiro Carlos Ghosn, de 64 anos, cumpria prisão domiciliar em Tóquio. No passado, ele ocupou a presidência da Nissan, mas foi destituído, encerrando quase duas décadas na empresa.

Liberdade – Na quinta-feira passada (25), dia de Natal, o Tribunal Distrital de Tóquio concedeu liberdade sob fiança, pela segunda vez, a Ghosn, que havia sido liberado no dia 6 de março, depois de passar 108 dias em detenção, pagando uma fiança no valor de US$ 9 milhões, mas foi preso novamente no dia 4 de abril.

O tribunal determinou uma fiança adicional no valor de US$ 4 milhões.

Os promotores devem recorrer à decisão da corte de conceder liberdade a Ghosn. Caso o tribunal rejeite o recurso e Ghosn pague a fiança, ele poderá sair do Centro de Detenção de Tóquio ainda hoje.

(Agência Brasil com informações da NHK, emissora pública de televisão do Japão)

Compartilhe
Editor chefe da Revista e do site do Maranhão Hoje. Sócio-proprietário da Class Mídia – Marketing e Comunicação